Eficiência energética custará à China US$ 30 bilhões anuais

Governo chinês terá que investir 0,7% do PIB de 2008 para cumprir meta de redução de emissões de CO2

Efe,

04 Dezembro 2009 | 09h58

A China deverá investir US$ 30 bilhões ao ano - o equivalente a 0,7% de seu Produto Interno Bruto (PIB) de 2008 - para cumprir os compromissos de eficiência energética divulgados na semana passada, afirma um estudo realizado pela Universidade Popular de Pequim.

Veja também:

linkFMI: elevar preço do carbono não prejudica recuperação econômica

linkCom metas atuais, emissão de CO2 dobrará até 2040, diz estudo

linkFinanciamento será o maior entrave a acordo climático 

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

 

Segundo o estudo, citado nesta sexta-feira, 4, pela agência oficial Xinhua e pelo jornal estatal China Daily, após a promessa chinesa de reduzir em 45% as emissões de CO2 por unidade de PIB (intensidade energética) até 2020, os consumidores chineses serão os que mais notarão o alto custo derivado.

 

"As indústrias relacionadas à energia terão que fazer frente aos aumentos de custos para melhorar sua eficiência, mas, no final, esses aumentos serão sustentados pelos consumidores", disse o pesquisador Jiang Kejun, da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento (NDRC, em inglês), principal órgão de planejamento econômico.

 

Jiang previu aumentos no preço da energia elétrica, dos combustíveis e de outras energias utilizadas pelos consumidores, e acredita que contas mais altas nas famílias chinesas "trarão mudanças no estilo de vida dos cidadãos" do país mais povoado do mundo.

 

A China, que, como país em desenvolvimento, não é obrigada pelo Protocolo de Kioto a reduzir emissões, lançou seu compromisso de eficiência energética duas semanas antes da cúpula da ONU sobre mudança climática que acontecerá em Copenhague de 7 a 18 de dezembro, a fim de mostrar seu apoio à luta internacional contra o aquecimento global.

 

Embora as promessas da China não sejam exatamente uma redução direta de emissões, e mais o compromisso de que estas aumentarão mais devagar, foram recebidas com otimismo pela comunidade internacional, que as interpretou como um "balão de oxigênio" diante da cúpula.

Mais conteúdo sobre:
eficiencia energia China custo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.