Lefteris Pitarakis/AP
Lefteris Pitarakis/AP

Ecologistas escalam prédio da BP para protestar contra vazamento de óleo

Greenpeace acusa companhia de operar em 'lugares remotos'; acidente ambiental completa um mês

Efe

20 Maio 2010 | 11h27

LONDRES - Dois ecologistas do Greenpeace escalaram nesta quinta-feira, 20, o edifício da companhia petrolífera British Petroleum (BP) em Londres para protestar contra o vazamento de petróleo no Golfo do México, que completou um mês.

 

Veja também:

linkVazamento no Golfo força cooperação entre EUA e Cuba

linkVazamento no Golfo: o novo 11/9 dos EUA

linkCorrente marinha pode levar mancha de petróleo à Flórida

 

Os ecologistas - que carregavam uma bandeira com manchas de petróleo, o logotipo da multinacional e a frase "contaminadores britânicos" - planejam ficar no edifício para receber os executivos da empresa, segundo o Greenpeace.

 

De acordo com a imprensa britânica, o executivo-chefe da BP, Tony Hayward, retornou na quarta-feira ao Reino Unido vindo dos Estados Unidos pela primeira vez desde que a plataforma "Deepwater Horizon", operada pela empresa, explodiu e afundou no Golfo do México, no último dia 20 de abril.

 

"O vazamento de petróleo no Golfo do México está ligado às decisões tomadas neste edifício. Sob a liderança de Tony Hayward, a BP se arriscou muito para tirar petróleo de lugares cada vez mais remotos", disse à imprensa Ben Stewart, de 36 anos, um dos ecologistas que escalou o prédio.

 

"O logotipo verde da BP é uma tentativa patética de desviar atenção do que realmente faz esta companhia, tanto no Golfo do México quanto em lugares como as areias do Canadá", acrescentou Stewart.

 

Onze pessoas morreram na explosão que destruiu a plataforma, propriedade da companhia Transocean, que explorava para a BP o poço afetado nas águas do Golfo do México, a 77 quilômetros do litoral do estado americano da Louisiana.

Mais conteúdo sobre:
vazamento petroleo oleo BP protesto Greenpeace

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.