Divulgação
Divulgação

Ecodesign ganha mercado e status

Organizadora de prêmio ressalta importância de se estimular no País o design sustentável

Alice Lobo, Especial para O Estado de S. Paulo

24 de agosto de 2010 | 23h01

Usar papel reciclado, fibra natural ou lona de caminhão em um produto já não basta para classificá-lo de "verde". Com a crescente demanda por sustentabilidade, o processo de produção está cada vez mais rigoroso, desde o ponto de partida – o design, ou melhor, ecodesign.

 

Veja mais

 

Ecodesign não é artesanato

 

‘Sustentabilidade é uma condição’

 

"É importante deixar claro que, com o ecodesign, estamos falando em produção industrial", afirma Joice Joppert Leal, diretora executiva da entidade Objeto Brasil, dedicada à divulgação do trabalho de designers nacionais. "É algo distinto do artesanato, produzido em pequena escala e manualmente."

 

Joice promove o Idea Brasil, versão nacional do Idea Awards, uma das premiações de design mais importantes do mundo. A edição do Idea Brasil 2010, cuja cerimônia de encerramento estava prevista para ontem à noite, elegeu, entre outras categorias, os melhores cases de ecodesign. O grande vencedor foi o sabonete Natura Ekos. Criado para evitar desperdício, ele é vendido em lascas ou gomos. Se quiser, o consumidor pode até fatiá-lo.

 

A e-board da Osklen, prancha de surfe fabricada com resina à base d’água, óleo vegetal, bambu certificado e pigmento orgânico, ficou em segundo lugar. E o bronze foi dividido por dois produtos: a bicicleta da Pense Brinquedos (feita de madeira com PET reciclado, com guidão de alumínio e borracha) e o reciclador de óleo de cozinha da Reciprátik, que faz sabão caseiro com a adição de água e soda cáustica.

 

"O Brasil acordou e está se preocupando mais com design sustentável porque o consumidor é exigente", diz Pedro Petry, que trabalha com resíduos de árvores e madeira certificada. A última empreitada de Petry é uma parceria com a empresa Orsa Florestal, que faz o manejo sustentável de madeira tropical certificada. "Ou a gente entra nessa ou vamos perder mercado. Hoje ainda temos ações pequenas, que têm de crescer e ganhar escala."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.