'É preciso reinserir a ética no centro do debate econômico'

Para economista da USP, Rio+20 pode contribuir ao propor discussão sobre nova forma de medir a riqueza dos países

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2012 | 03h06

Na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que começa nesta quarta-feira, o mundo discutirá a transição para uma economia verde, mas talvez o debate devesse ir muito além disso, num processo do qual emergisse um novo arranjo s social que pusesse a ética no centro da vida econômica. A proposta, do economista da USP Ricardo Abramovay, está em Muito Além da Economia Verde, livro que ele lançou na semana passada para jogar mais lenha na fogueira às vésperas da Rio+20.

Na entrevista a seguir, ele explica que o principal perigo do pensamento atual é achar que economia verde é uma mera questão de mudança de tecnologia. Nos últimos 20 anos, explica, a humanidade alcançou avanços tecnológicos que permitiram uma produção com menos uso de materiais e com redução da emissão de gases de efeito estufa. Mas como a produção e o consumo aumentaram, esses dois indicadores só cresceram, aproximando o mundo de seus limites e incrementando os riscos das mudanças climáticas.

Se na Rio+20 o mundo falasse: agora temos uma nova economia, quais seriam as bases dela?

Estamos no seguinte paradoxo: o mundo está muito aquém da economia verde, aumentando emissões, desmatando mais, usando mal os materiais. Economia verde é produzir usando menos recursos e comprometendo menos as saúdes dos ecossistemas, é transitar da energia fóssil para a renovável e usar melhor os materiais. Mas se constato que estamos muito aquém, então alguém pode me chamar de 'radicaloide' por querer ir Muito Além da Economia Verde. Só de alcançar a economia verde já estaria muito bom. O problema é que se considerarmos os últimos 20 anos, vemos que houve um imenso progresso no sentido da economia verde. Cada unidade de dólar foi gerada com 21% menos de uso de recursos materiais e 23% menos emissões de gases de efeito estufa. No entanto, o uso de materiais aumentou 39% e as emissões aumentaram 41%. Porque mesmo tendo um avanço extraordinário, está se produzindo e consumindo muito mais. Ou seja, a economia verde num mundo de 3 bilhões de habitantes talvez desse conta do recado. Mas com 7 bilhões, com a emergência de uma nova classe média mundial, que vai passar de 2 bilhões para 5 bilhões até 2030, com uma faixa hoje de US$ 10 a US$ 100 diários de consumo... Precisamos repensar a relação entre economia e sociedade. Temos de ter resposta não só para a pergunta 'produzir como?', mas também 'para quê? E para quem?' Para quê estamos tirando IPI dos carros para as pessoas ficarem paradas no trânsito?

É aí que entraria a proposta de mudar a forma de contar riqueza somente a partir do PIB?

É uma das coisas que acho que a Rio+20 talvez possa trazer uma sinalização. Rediscutir o PIB não é só uma questão de medida de riqueza, mas uma questão de sentido. Envolve rediscutir os propósitos econômicos. O tema é a reinsercão da ética na economia. Em 2005, a humanidade consumia 60 bilhões de toneladas de recursos materiais por ano, e isso vai aumentando. Daria mais ou menos 9 ou 10 toneladas per capita por ano. Ou seja, eu peso 70 kg e gasto 9 toneladas para passar um ano. É impressionante. Só que um indiano consome 4 toneladas. Um canadense, 25. E as mesmas proporções se repetem no consumo de energia e emissões de gases-estufa. No relatório de 2011 do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Achim Steiner estimou que essa média per capita terá de cair de 9 para 6 toneladas por ano. O indiano tem uma margem de crescimento de 4 para 6, mas o americano tem de cair para 6. Em parte isso tem de se conseguir com inovação tecnológica, mas imaginar que só isso vai permitir que se continue com o pé no acelerador é ignorar a experiência que estamos tendo.

De que modo essa nova ética poderia ser incutida pela Rio+20?

É importante lembrar que não se trata de uma reunião que vai tomar decisões a serem imediatamente implementadas. E também não está na pauta da Rio+20 grandes tratados internacionais. Mas podemos esperar duas sinalizações. A primeira é em relação à mudança do PIB. E a segunda são os objetivos de desenvolvimento sustentável. Se as nações se comprometem a estabelecer metas quanto ao uso dos recursos ecossistêmicos que estão sob risco, pode ser importante.

O senhor defende que a nova economia vai se apoiar num metabolismo industrial e depender do papel que as empresas vão desempenhar, mas em que pé está na prática essa mudança?

Algumas entidades do mundo empresarial, como o World Business Council, o Instituto Ethos e o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável já estão adotando o discurso do 'vamos começar a fazer, mesmo antes de virem os incentivos de governo'. A constatação é que tem de haver uma mudança no próprio sentido e nos objetivos do sistema econômico. É um minoria, é uma brecha importante e os próprios movimentos sociais estão começando a explorá-la. Eles perceberam a importância de exercer uma pressão direta sobre as empresas. Estão combinando denúncias com ações cooperativas com o mundo empresarial que são transformadoras de ambos os lados.

O senhor acha que essa brecha hoje pequena pode se expandir a ponto de ser capaz de mudar o modo de fazer negócios?

Grande parte das transformações sociais que a gente precisa ter no mundo vai ter como protagonistas empresas e mercados. E passar por uma nova concepção do que são mercados. Os últimos relatórios de várias consultorias internacionais, como McKinsey, Price Waterhouse e KPMG, trazem em comum análises que mostram que o famoso business as usual está esgotado. O relatório da Price caracteriza como 'retomada suja' a que a economia teve de 2009 para 2010, quando cada dólar foi produzido emitindo mais carbono que no ano anterior, coisa que não acontecia desde 2000. A KPMG analisou, por exemplo, que, se a produção asiática de aço pagasse pela água que usa, o lucro das empresas seria reduzido em 42%. O think tank do capitalismo mundial tem produzido materiais apontando que os riscos empresariais estão aumentando e dizendo para o mundo que não é possível continuar praticando um regime de preços que ignora o esgotamento dos recursos que a economia depende. E por enquanto os rascunhos do documento que deve sair da Rio+20 não estão aos pés da contundência dessas constatações.

Qual é o desafio?

É ao mesmo tempo ter de fazer mais na base da pirâmide - mais infraestrutura, serviços, educação, hospitais - e menos no topo - menos comida, carros, emissões etc. A governança dessa dupla é o que a gente não sabe fazer. O nosso desafio é fazer menos e distribuir esse ônus e convencer as pessoas de que fazendo menos provavelmente a gente tem a chance de construir uma vida melhor.

Mais conteúdo sobre:
Rio 20 Ricardo Abramovay

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.