Domo de contenção chega a 60 metros de vazamento no Golfo do México

A estrutura, com 4 andares de altura, é a única esperança da BP de conter o vazamento no curto prazo

Reuters

07 Maio 2010 | 16h38

Engenheiros da British Pertroleum, com a ajuda de robôs submarinos, manobraram uma pesada câmara metálica a até 60 metros de um poço de petróleo que está vazando no fundo do Golfo do México, trabalhando para conter um despejo que ameaça causar uma catástrofe ambiental no litoral dos Estados Unidos.

 

A estrutura, com quatro andares de altura, é a única esperança da BP de conter o vazamento no curto prazo. Ela foi projetada par cobrir o maior dos dois vazamentos, a quase 1,6 km de profundidade, e canalizar o petróleo para um navio na superfície.

 

O domo de contenção, sendo baixado para o oceano em operação inédita. Patrick Kelly/Divulgação

 

Mas a técnica nunca foi testada nessa profundidade, e os engenheiros que operaram remotamente os veículos envolvidos na operação tiveram de enfrentar a escuridão, as correntes marinhas e a intensa pressão submarina. O executivo da BP Tony Hayward disse que não há garantias de sucesso.

 

"As pressões e temperaturas são muito diferentes, então não podemos ter confiança de que funcionará", disse ele à CNN.

 

Ele afirmou que o domo vinha sendo baixado "muito cuidadosamente", e que os próximos três ou quatro dias serão passados na tentativa de estabelecer as conexões para permitir o bombeamento do óleo para a superfície.

 

Mancha de óleo se aproxima da Ilha Freemason, na Louisiana. Rick Wilking/Reuters

 

O óleo chegou pela primeira vez, na quinta-feira, às praias de um arquipélago da Louisiana. pelo menos 795.000 litros de petróleo cru despejaram-se no Golfo do México a cada dia desde que a plataforma Deepwater Horizon explodiu há duas semanas, matando 11 trabalhadores.

 

A BP diz que o domo poderá estar operando na segunda-feira. A companhia também está perfurando um poço paralelo para tentar deter o vazamento, mas essa manobra deve levar meses para se completar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.