Pier Paolo Cito/Reuters
Pier Paolo Cito/Reuters

Discussão climática negligencia crise alimentar, alerta FAO

Agência da ONU para alimentação cobra 'uma maior consciência' sobre importância da agricultura no clima

GERARD WYNN, REUTERS

09 de dezembro de 2009 | 12h22

As discussões climáticas têm negligenciado a crise alimentar mundial, ignorando medidas que poderiam conter o aquecimento global e ao mesmo tempo aumentar a produção agrícola, segundo o diretor-geral da FAO (agência da ONU para alimentação e agricultura).

Em entrevista nesta semana à Reuters em Copenhague, Jacques Diouf cobrou "uma maior consciência sobre a importância" da agricultura nas discussões climáticas. "Historicamente, a discussão se centrou nos aspectos industriais da mudança climática, seja em termos de fábricas ou transportes, e menos no setor primário da agricultura."

Até 18 de dezembro, 192 países discutem em Copenhague as linhas gerais de um novo tratado climático global a ser assinado em 2010 para substituir o Protocolo de Kyoto.

A FAO diz que certas práticas agrícolas, especialmente em países pobres, poderiam recuperar terras degradadas, de modo a aumentar a produção agrícola em longo prazo. Além disso, medidas como redução das taxas de armazenamento e emprego de materiais orgânicos também podem manter no solo uma quantidade de carbono equivalente a 10 por cento das emissões globais de gases do efeito estufa.

Por outro lado, a agricultura contribui com as emissões porque estimula o desmatamento. Levando isso em conta, a produção rural responde por 31 por cento das emissões globais, segundo Diouf.

"Daí o impacto das boas políticas para reduzir o impacto negativo e das boas políticas para aumentar a capacidade de sequestro de carbono", disse Diouf.

Até agora, os negociadores de Copenhague se limitaram a propor um "programa de trabalho" para ampliar as pesquisas sobre métodos agrícolas que reduzam emissões. A conferência deve resultar também em propostas para compensar países que reduzam suas taxas de desmatamento.

Outro item importante na pauta é a definição de um mecanismo financeiro para ajudar os países pobres a reduzirem suas emissões e a se prepararem para as mudanças climáticas.

"Gostaria que tivéssemos um mecanismo financeiro para estimular os países que têm florestas a não desmatarem. Gostaria também de ver que a agricultura de conservação recebe os incentivos necessários", disse Diouf.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTECLIMAFAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.