Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação
Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação

Dilma chega a Paris para participar da COP

Presidente acertou quatro encontros bilaterais com premiê da Noruega e com líderes do Equador e da Bolívia para o domingo

Andrei Netto, Correspondente de O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2015 | 13h25

Atualizado às 14h45

PARIS - A presidente Dilma Rousseff (PT) já está em Paris, na França, onde na segunda-feira, 30, participa da abertura da 21ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-21).

A comitiva presidencial chegou dois dias antes do evento, quando ainda não tinha compromissos previstos na agenda oficial. No final da tarde, a presidência informou que quatro reuniões bilaterais foram marcadas para o domingo, 29, com a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, com os presidentes do Equador, Rafael Correa, e da Bolívia, Evo Morales, e com um representante da Comunidade do Caribe (Caricom).

Uma reunião com negociadores brasileiros da COP-21 também será realizada na Embaixada do Brasil em Paris. Segundo o assessor especial da presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, o discurso da presidente para a abertura da Conferência do Clima, na segunda-feira, já está redigido.

Questionado pelo Estado se a presidente pedirá um acordo internacional legalmente vinculante (obrigatório), Garcia disse que o discurso não entra no assunto.

"Ela não entra no detalhe sobre a obrigatoriedade do acordo, porque isso não está fechado. Essas coisas se resolvem de outra maneira", argumentou o assessor, referindo-se às negociações.

Embora tenha chegado mais cedo a Paris, a presidente reduziu a viagem internacional. Visitas programas para o Japão e o Vietnã para o início da semana foram canceladas - a Tóquio pela segunda vez. Sobre o cancelamento, Garcia reconheceu o inconveniente.

"É chato, eles vão ficar chateados, mas saberão entender", disse Garcia, antecipando que a presidente pretende encontrar o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, em Paris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.