Divulgação
Divulgação

Dilma atribui queda no desmatamento a ações do governo

Para presidente, Ibama, Polícia Federal e Exército ajudaram a fiscalizar florestas

11 de junho de 2012 | 10h24

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff atribuiu a queda nos níveis de desmatamento florestal anunciada recentemente às ações do governo, dizendo que o País deve ser orgulhar de ser o país que melhor protege suas florestas tropicais. Na semana passada, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e o governo revisaram os índices de desmatamento entre agosto de 2010 e julho de 2011, que seria o menor em 24 anos.

 

Em seu programa semanal Café com a Presidenta, Dilma avaliou que a queda do índice é resultado da fiscalização e do trabalho conjunto de órgãos como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Polícia Federal e as Forças Armadas.

 

"Também é importante dizer que temos oferecido alternativas de produção e renda para a população que vive em nossas florestas, para que esses trabalhadores possam produzir e garantir o seu sustento sem desmatar ou destruir o meio ambiente", disse, ao destacar estratégias como o Bolsa Verde – benefício de R$ 300 pago a cada três meses para as famílias pobres que trabalham na coleta de frutos, na extração de látex ou na pesca artesanal, na Amazônia.

 

Para a presidente, combinar uma fiscalização forte com ações que permitem a exploração sustentável dos recursos naturais ajuda a manter as florestas. Atualmente, segundo ela, mais de 80% da floresta amazônica estão preservados, enquanto na maioria dos países da Europa o índice fica em torno de 10%.

 

Dilma ressaltou que, a partir de agora, as compras feitas pelo governo federal vão dar prioridade a produtos e serviços que forem fabricados respeitando o meio ambiente. A medida inclui produtos como papéis, livros escolares, fardamentos, areia, tijolos, asfalto e cimento. Apenas em 2010, as compras públicas movimentaram R$ 70 bilhões.

 

"Esse é o modelo de desenvolvimento que vamos continuar seguindo, que tem como base três eixos que são igualmente importantes: o eixo crescer, o eixo incluir e o eixo proteger. Isso é o que vamos apresentar ao mundo durante a Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que começa nesta semana no Rio de Janeiro", concluiu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.