Diante da crise, UE cogita ação climática mais branda

Líderes europeus já definiram uma redução de 20% do CO2 abaixo dos níveis de 1990

Pete Harrison e Darren Ennis, Reuters

11 Dezembro 2008 | 17h39

Os líderes europeus lançaram nesta quinta-feira, 11, um afago para o setor industrial ao atenuarem os planos contra o aquecimento global, num momento de grave crise econômica.       Veja também:  ONU deve convocar cúpula do clima para setembro em NY Brasil é exemplo de economia verde, diz Ban Ki-moon Minc anuncia ação para fomentar tecnologia verde Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan  Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan (2)  Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan (3)  Brasil fica em 8º lugar em índice de mudança climática Entenda a reunião sobre clima da ONU na Polônia Quiz: você tem uma vida sustentável?  Evolução das emissões de carbono    Acompanhe a reunião de Poznan  Página oficial da conferência    A União Européia busca formas de reduzir as emissões de dióxido de carbono do bloco, até 2020, para 20% abaixo dos níveis de 1990, reagindo aos alertas científicos sobre a possibilidade de mais tempestades, inundações, ondas de calor e elevação do nível dos mares. Nas últimas semanas, os países da UE definiram metas sobre energia renovável e eliminação de poluentes de veículos. Agora, o foco se volta para questões mais polêmicas - geração elétrica, indústria pesada e manufatura. "Vamos obter uma decisão histórica", disse o chanceler finlandês, Alexander Stubb. "A Europa vai mostrar o caminho a respeito de energia e mudança climática." As discussões assumem maior importância por ocorrerem a pouco mais de um mês da posse de Barack Obama como presidente dos EUA. Muitos europeus esperam a partir de 2009 uma maior cooperação climática com a Casa Branca do que no governo de George W. Bush. Siderurgia, cimento, indústrias químicas, papel e outros setores industriais estarão protegidos dos custos adicionais da compra de créditos para a emissão de dióxido de carbono, segundo a proposta que serve de base para as negociações. O programa de comércio de créditos de emissões é uma das principais bandeiras climáticas da UE. "Isso cobre cerca de 90% da indústria, e não vejo qualquer razão pela qual a Alemanha não aceitaria esta proposta", disse o conservador alemão Peter Liese. "Eu a vejo como uma vitória." Mas críticos dizem que entregar autorizações gratuitas para poluir esvazia o principal incentivo para os cortes de emissões. Um acordo da UE nesta semana é considerado vital para as negociações globais sobre a redução de emissões de gases do efeito estufa em outros grandes poluidores, como Rússia, China, Índia e EUA. "Se não conseguirmos um acordo nesta cúpula, será desastroso para as negociações climáticas no ano que vem", disse o primeiro-ministro dinamarquês, Anders Fogh Rasmussen.

Mais conteúdo sobre:
Poznan aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.