Dez filhotes de crocodilo chegam a Cuba em esforço de conservação da espécie

Dez filhotes de crocodilo chegaram a Cuba nesta segunda-feira, 20 provenientes de um zoológico da Suécia, onde nasceram filhos de um casal de crocodilos cubanos dado por Fidel Castro como presente a um cosmonauta soviético nos anos 1970.

Daniel Trotta, REUTERS

20 Abril 2015 | 20h43

A espécie de crocodilo cubano está ameaçada em decorrência da perda de habitat, caça e do cruzamento com o crocodilo norte-americano.

"Há poucos restantes, talvez 100, e agora eles têm mais 10", disse Jonas Wahlstrom, tratador do zoológico sueco que acompanhou os animais no voo a Havana. "Trata-se da espécie de crocodilo mais rara e bonita que existe e também uma das mais agressivas."

Wahlstrom deu as declarações ao chegar a Havana e ainda não havia vistoriado os animais, todos de 20 meses e com cerca de 1 metro de comprimento, pois foram mantidos no compartimento de carga do avião. "Por alguma razão, a (companhia aérea) KLM não queria crocodilos na seção de passageiros", brincou Wahlstrom.

Castro deu os crocodilos pais, nascidos em 1974, ao cosmonauta Vladimir Shatalov como uma demonstração de amizade, mas Shatalov não tinha onde criá-los e colocou os répteis num zoológico de Moscou.

"A esposa dele não queria dividir o apartamento com dois crocodilos em crescimento", disse Wahlstrom. Quando adultos, os crocodilos cubanos medem em torno de 2,5 a 2,8 metros.

O zoológico de Moscou não possuía as instalações adequadas para manter os animais, enviando-os para o zoológico Skansen, em Estocolmo, em 1981. Wahlstrom, que os criou desde 1984, batizou os crocodilos de Hillary e Castro nos anos 1990.

Os 10 filhotes, ainda muito jovens para determinar seus sexos, serão mantidos em quarentena em Havana. Wahlstrom disse esperar que eles sejam libertados durante a sua estadia de uma semana em Cuba, para que possa vê-los voltar ao pântano. "Esse é o meu sonho."

Mais conteúdo sobre:
Cuba crocodilo conservação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.