Christiano Antonucci/SECOM MT
Christiano Antonucci/SECOM MT

Desmatar florestas gera prejuízos ambientais e econômicos

Recuperação de áreas verdes mobiliza países na COP-26; no Brasil, empresas e sociedade civil têm ações contra o desmatamento

Alex Gomes e Ocimara Balmant, especial para o Estadão

18 de novembro de 2021 | 05h00

Zerar o desmatamento ilegal até 2028; reflorestar 18 milhões de hectares de florestas até 2030; e recuperar 30 milhões de hectares de pastagens degradadas. Os anúncios feitos pelo governo brasileiro logo no início da COP-26 juntam-se a um compromisso assumido por mais de cem líderes mundiais para acabar com o desmatamento até 2030 – a chamada Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra.

A declaração prevê um fundo de US$ 12 bilhões com dinheiro público aportado por 12 países – incluindo EUA, Reino Unido, Canadá, Japão e a União Europeia – entre 2021 e 2025, além de US$ 7,2 bilhões de investimento privado de mais de 30 instituições financeiras mundiais.

O objetivo é apoiar iniciativas de restauração e manutenção de florestas e de apoio a comunidades indígenas em países em desenvolvimento. Um dos compromissos, por exemplo, prevê o envio de 1,7 bilhão de dólares para povos indígenas e comunidades tradicionais, populações consideradas fundamentais para proteger florestas e suas biodiversidades.

Enquanto o Brasil tenta atrair atenção e investimentos anunciando um futuro verde, o presente é forrado de cinzas. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), nos primeiros seis meses de 2021, o desmatamento da floresta amazônica brasileira aumentou 17%, com 3.610 km² devastados.

“Nesses últimos três anos, o nível de desmatamento, alinhado a incêndios florestais, tem se estendido de forma impressionante. Isso em função do governo flexibilizar o monitoramento de ações contra grilagens”, afirmou Tercio Ambrizzi, superintendente de Gestão Ambiental da USP, durante o evento online Especial COP-26 – Novos Caminhos para a Humanidade, promovido pelo Estadão. “O Brasil e nossos representantes na COP não tinham outra opção – ou aceitavam que devem combater o desmatamento, ou sofreríamos sanções econômicas, pura e simplesmente.”

Em 2021, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds) lançou o Movimento Empresarial pela Amazônia, com o propósito de manifestar compromisso público com uma agenda de desenvolvimento sustentável.

Entre as ideias apoiadas pelos signatários, um grupo com mais de 80 empresários ligados a algumas das principais empresas nacionais, há o combate ao desmatamento ilegal na Amazônia e nos demais biomas brasileiros; a inclusão social e econômica de comunidades locais para garantir a preservação das florestas; a adoção de mecanismos de negociação de créditos de carbono; e a valorização da biodiversidade como parte integral de estratégias empresariais.

“Conseguimos conviver com o desmatamento ilegal, que está arranhando a imagem e baixando o nível de investimento das empresas?”, questiona Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que também participou do evento, no último dia 10. “Não conseguimos separar a marca da empresa da marca Brasil. Os empresários estão levantando sua voz em relação ao desmatamento.”

Se as intenções governamentais ainda inspiram descrença, o envolvimento da sociedade civil em questões ambientais é cada vez maior. É a percepção de Virgilio Viana, superintendente-geral da Fundação Amazônia Sustentável, com mais de 15 anos de experiência em participações nas COPs. “Se, de um lado, ainda existem parênteses e colchetes nos textos diplomáticos, do outro lado da rua, a sociedade civil e as empresas estão nessa COP com sentimento de engajamento e ação. Não se fala mais no ‘precisamos fazer algo’, mas, sim, em como fazer, quanto custa e quem sabe fazer. É hora de trabalhar com soluções viáveis, do ponto de vista econômico, e inclusivas, no aspecto social.”

3 perguntas para...

Virgilio Viana, Superintendente-geral da Fundação Amazônia Sustentável

É possível conciliar geração de renda e preservação ambiental no Brasil?

Não só é possível, como nós e outros atores já estamos fazendo isso. É possível fazer com que o pirarucu manejado tenha mais valor para o pescador do que o pirarucu extraído de forma não sustentável. É possível fazer com que o açaí produzido de forma sustentável tenha mais valor. Essas soluções existem. Mas precisamos de um apoio a essa agenda positiva, isto é, estímulos para que os gargalos das cadeias produtivas das florestas sejam superados. E também da atuação dos governos, em diferentes escalas, para que a fiscalização e o combate ao ilícito ocorram da maneira necessária.

E isso não tem acontecido, não é mesmo?

Hoje nós temos um aumento enorme da ilegalidade. É a falta de governança, a falta de gestão pública em toda a Amazônia. Temos um enfraquecimento dos órgãos governamentais ambientais em todas as esferas de governo. Precisamos fazer com que o custo da ilegalidade aumente e que a legalidade, a produção baseada no manejo, seja mais atraente. Essa é a equação, uma equação econômica.

O que é preciso para que se reconheça a Amazônia como geradora de renda?

A Amazônia é o ativo estratégico mais importante do Brasil. Desmatar a Amazônia é burrice do ponto de vista de um projeto de país. É ruim porque afeta a saúde pública – quanto mais queimada, mais problemas de saúde isso gera. A imagem negativa afeta as exportações e o investimento externo e, por fim, o desmatamento da Amazônia ainda contribui com a crise hídrica – a falta de água para as cidades, para a agricultura e para a energia elétrica. Temos de enxergar a Amazônia como, de fato, um patrimônio... Que cada árvore cortada seja como uma ferida no corpo de cada um de nós.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.