Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Desmatamento volta a aumentar na Amazônia, diz jornal

Queimadas deixam Amazônia em panorama 'sombrio', diz britânico 'The Guardian'.

BBC Brasil, BBC

16 de outubro de 2007 | 07h35

Uma reportagem do jornal britânico The Guardian aponta nesta terça-feira indícios de que o desmatamento da Amazônia está subindo, depois de anos em queda.A reportagem de uma página inteira, intitulada A Amazônia queima mais uma vez (tradução livre) e ilustrada com foto de meia-página, se baseia na observação do grande número de incêndios que afetam a floresta.A queima de matas é usada por pecuaristas, madeireiros ilegais e produtores de soja para preparar a terra. Em agosto, segundo o Guardian, satélites do governo registraram 16.592 focos de incêndio, a maioria na Amazônia."Nos últimos dois anos, temores em relação ao futuro da Amazônia foram amenizados por notícias de redução no desmatamento. Em agosto, o governo alardeou uma queda de 30% na redução de florestas tropicais - resultado, disse, de um plano oficial lançado em 2004", escreve o jornal."Muitos, entretanto, acreditam que as boas notícias estão perto de acabar. Já existem sinais de que a destruição das florestas está ganhando corpo. Relatos dão conta de que o desmatamento no Pará e no Mato Grosso está aumentando, com a derrubada de árvores e os incêndios consumindo milhares de hectares de mata virgem."De acordo com o Guardian, a queda nas taxas de desmatamento dos últimos anos pode ter sido reflexo apenas da falta de interesse econômico em atividades que impliquem a destruição das matas.Mas agora, com os altos preços da soja e da carne abrindo oportunidades exportadores destes alimentos, o panorama para a Amazônia voltou a ser "sombrio", disse o jornal.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.