Desmatamento pode causar perda de 6% no PIB, diz estudo

Além disso, o relatório prevê o desaparecimento de 11% dos espaços naturais existentes em 2000

Efe

29 de maio de 2008 | 21h50

Um estudo apresentado nesta quinta-feira, 29, na cidade alemã de Bonn apontou que o ritmo atual de destruição das florestas causará em 2050 a perda de 6% do PIB mundial. Veja também: Minc se reúne com governadores da Amazônia Legal nesta 6ª60 países se comprometem a deter desmatamento até 2020Minc diz que não recua em corte de crédito na AmazôniaEm busca de recursos, Minc vai nesta quarta para a AlemanhaDesmatamento da Mata Atlântica caiu 69% até 2005Inpe suspende divulgação de dados sobre desmatamentoEspecial: Amazônia - Grandes reportagens  Além disso, o relatório prevê o desaparecimento de 11% dos espaços naturais existentes em 2000 e que, em 2030, 60% dos recifes de coral estarão destruídos. Chamado de The Economics of Ecosystems and Biodiversity ("A economia dos ecossistemas e da biodiversidade", em tradução livre), o estudo aponta que o retrocesso será uma conseqüência da perda de funções ambientais realizadas pelas florestas, como o controle de enchentes ou a provisão de água potável. Segundo o relatório, será "vencedor" da próxima revolução industrial quem conseguir quantificar o valor econômico da natureza, o que permitirá enfrentar a crise econômica e investir em ecotecnologia. Este valor é calculado a partir dos serviços prestados pelas florestas e varia entre US$ 4,5 trilhões e US$ 5,1 trilhões. O ministro alemão do Meio Ambiente, Sigmar Gabriel, explicou que o estudo é fruto de um acordo alcançado no ano passado em Potsdam, na Alemanha, durante uma reunião de ministros do G8 - o grupo dos oito países mais industrializados com seus colegas das nações emergentes (Brasil, México, África do Sul, China e a Índia).

Tudo o que sabemos sobre:
desmatamentoPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.