Desmatamento na Amazônia aumenta 8 vezes em um mês

Estado com maior desmatamento foi o Mato Grosso (794 km²); segundo lugar ficou para Roraima (284,8 km²)

Simone Menocchi e Reuters,

02 Junho 2008 | 17h30

De acordo com o sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), 1.123 km² da Floresta Amazônica sofreram corte raso ou degradação progressiva durante o último mês de abril. O número foi apresentado na tarde desta segunda-feira, 2, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) durante coletiva à imprensa na sede do órgão, vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, em São José dos Campos (SP).   Veja também: Desmatamento da Mata Atlântica caiu 69% até 2005 Inpe suspende divulgação de dados sobre desmatamento  Desmatamento na Amazônia aumenta 8 vezes entre março e abril  Especial: Amazônia - Grandes reportagens    "A cada dez segundos uma área semelhante a um campo de futebol é desmatada na Amazônia". A constatação, do diretor do Inpe, Gilberto Câmara, mostra que a destruição na Amazônia Legal cresce a passos largos. "Nos últimos três anos havia caído, mas neste ano deve voltar a crescer. Ainda não sabemos quanto, mas o desmatamento continua crescente", completou.   Além dos números do desmatamento em cada Estado da Amazônia Legal, o Inpe também divulgou o índice de cobertura de nuvens do período analisado. A cobertura de nuvens costuma variar muito de um mês para outro, assim como a localização das áreas encobertas. Do total verificado pelo Deter em abril, 794 km² correspondem ao Mato Grosso. Em março, o sistema havia registrado 112 km² no Estado. Porém, no mês anterior 78% da Amazônia estava coberta de nuvens, sendo que 69% do Mato Grosso não pôde ser observado pelos satélites. Já em abril, 53% da Amazônia esteve sob nuvens, mas apenas 14% do Mato Grosso ficou encoberto. Isto indica que a oportunidade de observação no estado aumentou muito de março para abril.   O segundo estado com maior área de desmatamento em abril é Roraima, com 284,8 km², seguido por Rondônia, com 34,6 km².   Em operação desde 2004, o Deter foi concebido como um sistema de alerta para suporte à fiscalização e controle de desmatamento. São mapeadas tanto áreas de corte raso quanto áreas em processo de desmatamento por degradação florestal. É possível detectar apenas polígonos de desmatamento com área maior que 25 hectares por conta da resolução dos sensores espaciais. Devido à cobertura de nuvens, nem todos os desmatamentos maiores que 25 hectares são identificados pelo sistema.

Mais conteúdo sobre:
desmatamentoAmazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.