Divulgação
Divulgação

Desmatamento em Bornéu e Sumatra é alarmante, diz WWF

Neste ritmo, dizem cientistas, as duas ilhas indonésias perderão totalmente sua superfície de selvas até 2020

EFE,

24 Agosto 2009 | 17h20

florestas tropicais de Bornéu e Sumatra se encontram em um estado de desmatamento alarmante, o que significa uma aceleração da mudança climática, segundo um estudo realizado com imagens por satélite e apresentado em Frankfurt pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês).

 

"Os últimos dados tiram qualquer dúvida sobre a dramática situação de Bornéu e Sumatra", afirmou o especialista em florestas tropicais do WWF, Markus Radday.

 

Os especialistas afirmam que se o desmatamento seguir avançando a este ritmo, as duas ilhas indonésias perderão totalmente sua superfície selvática em 2020.

 

Tanto Bornéu quanto Sumatra contam com duas das maiores florestas tropicais do planeta.

 

Hoje, porém, de toda a área florestal que Bornéu tinha inicialmente resta praticamente a metade; entre 2003 e 2007, a ilha perdeu uma média de 1,15 milhão de hectares de mata ao ano.

 

No caso de Sumatra, os números são parecidos: no período compreendido entre 1985 e 2007 foram desmatados cerca de 550 mil hectares por ano.

 

Isto significa que, nas duas últimas décadas, a cada hora desaparecia uma floresta do tamanho de 88 campos de futebol, segundo o estudo do WWF.

 

Segundo Radday, uma das espécies que mais poderia sofrer com as consequências é o orangotango, porque se toda a superfície selvática fosse destruída, esse animal teria muito poucas possibilidades de viver em liberdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.