Desmatamento cai em relação a 2008, mas aumenta sobre maio

Inpe alerta, porém, que 43% da área não foi verificada na comparação entre maio e junho devido ao clima

Agência Brasil,

04 Agosto 2009 | 12h02

O relatório do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), divulgado nesta terça-feira, 4, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mostra que em junho o desmatamento na Amazônia atingiu 578 km², área equivalente à metade do município do Rio de Janeiro. Junho marca o início do período seco na Amazônia, o que aumenta o risco de queimadas e novos desmatamentos. Em relação ao resultado de junho de 2008, quando o Inpe registrou 870 km² de área devastada, houve queda de 33%. De acordo com o Inpe, a cobertura de nuvens na região pode ter prejudicado a visualização de mais desmatamentos.    

 

Veja também:

documento Confira a avaliação do mês de junho feita pelo Inpe

documento Confira relatório do mês de junho completo

especial A evolução do desmatamento na Amazônia

linkReduzir desmate na Amazônia é fundamental, diz Reino Unido

link Especialistas temem efeitos de nova lei na Amazônia

Em relação aos dados de maio, quando os satélites haviam registrado 123 km² de desmate, houve aumento de 370%. No entanto, de acordo com o Inpe, essa comparação não é precisa, porque a cobertura de nuvens é diferente em cada mês, o que impede que os satélites visualizem sempre as mesmas áreas para compará-las.

 

Por causa das condições de visibilidade, os satélites deixaram de verificar 43% da Amazônia Legal em junho. "Estados como o Amapá, o Amazonas e Roraima não puderam ser monitorados adequadamente, pois apresentaram um alto índice de cobertura de nuvens no período, de 96%, 70% e 94%, respectivamente", diz o relatório.

 

O Pará, que pela primeira vez no ano teve mais da metade de sua área livre de nuvens, registrou a maior devastação em junho: 330 km² de florestas a menos no período (57% do total de junho). Mato Grosso aparece em seguida, com 181 km² de novas áreas desmatadas, seguido por Rondônia, com 41 km² de desmate. O desmatamento medido pelos satélites no Amazonas foi de 16 km²; no Maranhão, de 5 km²; e em Tocantins, de 3 km². Os estados do Amapá e do Acre registraram 1 km² de desmate, cada. Não há dados sobre Roraima.

 

A medição do Deter considera as áreas que sofreram corte raso (desmate completo) e as que estão em degradação progressiva. O sistema serve de alerta para as ações de fiscalização e controle dos órgãos ambientais. De agosto de 2008 até junho de 2009, o Deter registrou 3.538 km² de desmatamento na Amazônia Legal. No período anterior (agosto de 2007 a junho de 2008), a área devastada foi de 7.822 km².

 

A redução verificada pelo Deter pode sinalizar queda na taxa anual de desmatamento, medida pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes). O número atual (2007/2008) é de 11,9 mil km².

Mais conteúdo sobre:
desmatamentoAmazôniaInpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.