Desmatamento cai 18% na Amazônia Legal, aponta Inpe

Mapeamento compara a medição feita em agosto de 2012 a julho de 2013 à do período seguinte, de agosto de 2013 a julho de 2014

ISABEL FILGUEIRAS , Especial para O Estado

26 Novembro 2014 | 20h54

SÃO PAULO - A área desmatada na Amazônia Legal diminuiu 18% em um ano, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados nesta quarta-feira, 26. O mapeamento compara a medição feita em agosto de 2012 a julho de 2013 à do período seguinte, de agosto de 2013 a julho de 2014. De acordo com o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), a área onde houve remoção completa da cobertura vegetal passou de 5.891 para 4.848 km². 

O diretor do Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Francisco Oliveira, atribuiu o resultado ao aperto na fiscalização e ao desenvolvimento de programas ambientais e sociais, como o Bolsa Verde. "Houve um trabalho grande de ordenamento de terras. Em dois atos do Terra Legal, o MMA recebeu quase quatro milhões de hectares do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Parte disso já virou área de preservação ambiental", conta. 

Diante da alta na área desmatada entre 2012 e 2013, a fiscalização se tornou mais rigorosa para combater práticas ilegais como a grilagem e o comércio ilegal de madeira. "Vamos continuar perseguindo a meta de reduzir a área de desmatamento a 3.925 km² até 2020", diz.

Outro fator que tem contribuído para a queda do desmatamento tem sido a conscientização do mercado agropecuário internacional. Segundo Oliveira, grandes compradores de soja e carne cobram dos produtores práticas sustentáveis. "As empresas não querem que a marca seja associada à devastação da Floresta Amazônica", afirma. 

Resultados contraditórios. O levamento mensal feito pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), da organização de pesquisa Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), mostrou que houve aumento de 467% no desmatamento da Amazônia Legal em outubro em relação ao mês anterior. 

Mais conteúdo sobre:
Amazôniadesmatamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.