Desmatamento aumenta 8% na Amazônia, diz Inpe

Dados do projeto Deter, de detecção de desmatamento em tempo real, apontam avanço da destruição

18 de outubro de 2007 | 13h56

Dados do Projeto Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam uma tendência clara de aceleração do desmatamento na Amazônia, informa o instituto. Gerente do Programa de Monitoramento por Satélites do Inpe, Dalton Valeriano diz que os resultados mostram um aumento de 8% entre 2006 e 2007.    Os números do desmatamento   Foi avaliada a situação em todos os Estados da Amazônia Legal entre junho e setembro deste ano e no mesmo período de 2006. A comparação do total para toda a região indica que o desmatamento foi menor em 2007 do que no ano passado apenas no mês de junho. De julho a setembro a área desmatada aumentou em 3%, 53% e 107% na comparação ano a ano, respectivamente.    "Aumentos substanciais, da ordem de acima de 600%, foram observados em Rondônia. Pará e Mato Grosso também apresentam aumentos significativos em todos os meses, exceto julho. E na comparação geral os resultados mostram um aumento de 8% entre 2006 e 2007", diz Valeriano.   Segundo o pesquisador, os meses anteriores têm valores muito instáveis em função da área livre de nuvens na época e do tempo em que não foi possível observar a superfície em meses anteriores. Já a comparação mês a mês de anos subseqüentes é válida para os Estados do Acre, Rondônia e Mato Grosso porque é possível observar praticamente toda a área a cada mês. No Pará os resultados são comparáveis para a região ao sul de uma linha que se estende de Marabá a Itaituba.   "Ao norte desta linha o Deter é muito limitado por cobertura de nuvens, mas de qualquer modo os valores são comparáveis. O mesmo ocorre no Amazonas, onde se deve considerar as medidas como representativas da região sul do Estado, de Apuí a Eirunepê. As comparações não são válidas para os demais Estados porque a cobertura de nuvens ocorre de modo intenso por todo Estado e sem constância na área observada", explica.

Tudo o que sabemos sobre:
deteramazôniadesmatamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.