Descoberto primeiro ninho de réptil raro em 200 anos

Os tuataras neozelandeses ão répteis que lembram dragões e crescem até 90 centímetros

Associated Press,

31 Outubro 2008 | 16h14

Um réptil de uma espécie rara, cuja linhagem data da era dos dinossauros, foi encontrado fazendo ninho numa das ilhas principais da Nova Zelândia pela primeira vez em 200 anos, informaram autoridades.   Quatro ovos de um tuatara nativo foram encontrados pela equipe do Santuário de Vida Silvestre Karori, na capital do país, Wellington, durante serviços de manutenção de rotina, disse o gerente Rouen Epson.   "O ninho foi descoberto por acidente e é a primeira prova concreta de que nossos tuataras estão se reproduzindo", disse Epson. "Isso indica que podem existir outros ninhos desconhecidos no santuário".   Os tuataras são répteis que lembram dragões e crescem até 90 centímetros. São os últimos descendentes de uma espécie contemporânea dos dinossauros, de 225 milhões de anos atrás.   Eles têm características únicas, como duas fileiras de dentes superiores que se fecham em torno de uma só fileira interior. Eles também têm um olho parietal, uma glândula pineal sensível à luz que fica no alto do crânio. Essa mancha branca na pele - chamada de "terceiro olho" - desaparece devagar à medida que o animal amadurece.   Uma espécie nativa da Nova Zelândia, o tuatara quase foi extinto nas três ilhas principais do país no final do século XVIII, por acusa da introdução de preadores como ratos. Eles ainda vivem em 32 pequenas ilhas do arquipélago.   Uma população de 70 tuataras foi estabelecida no Santuário Karori em 2005. Outros 130 foram libertados no local em 2007. Os ovos descobertos foram recobertos de imediato, para evitar atrapalhar a incubação.

Mais conteúdo sobre:
tuatara

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.