Descobertas novas espécies de animais em cordilheira da Indonésia

Cientistas ainda buscam caracterizar a fauna de região remota da Nova Guiné

Associated Press

17 Maio 2010 | 14h14

Descobrir uma nova espécie de animal é um momento especial para cientistas, mesmo quando um exemplar pula para dentro do acampamento e se oferece para ser descoberto.

 

Uma equipe internacional de pesquisadores acampava nas montanhas Foja, da Indonésia, quando o herpetólogo Paul Oliver avistou um sapo sentado em um saco de arroz do acampamento.

Uma análise mais atenta revelou que se tratava de um tipo até então desconhecido de sapo de nariz comprido. Os cientistas apelidaram-no de Pinóquio.

 

Quando o sapo está emitindo seu chamado, o nariz aponta para cima; mas murcha quando o animal está menos ativo. "Estávamos almoçando", recordou Chris Milensky. Oliver "olhou para baixo e lá estava o sapinho no saco de arroz, ele conseguiu agarrar o bicho".

 

Exemplar de Pinóquio, o sapo narigudo descoberto no acampamento. Tim Laman/Reuters

 

"Herpetólogos (especialistas em répteis) têm bons reflexos", disse Milensky. "Ele também pegou um lagarto, conseguiu dar um pulo e pegar o bicho" de uma árvore.

 

E o Pinóquio não foi a única descoberta. Os pesquisadores informam ainda que encontraram o menor canguru já visto, um grande rato lanudo, um pombo de três dedos e um lagarto de olhos amarelos.

 

O lagarto de olhos amarelos, outra espécie encontrada nas montanhas. Tim Laman/Reuters

 

As montanhas Foja ficam no lado oeste da ilha da Nova Guiné, uma parte da Indonésia que foi pouco visitada por cientistas. Por isso, o grupo da Conservation International, com apoio da National Geographic Society e da Smithsonian Institution começou a investigar a área.

 

Os resultados da expedição de 2008 foram anunciados nesta segunda-feira, 17.  Milensky disse que a expedição foi extremamente difícil.

 

"Estava muito úmido, com chuvas pesadas todos os dias", disse ele. "O acampamento virou um atoleiro de lama".

 

O menor animal já visto da família dos cangurus, encontrado nas montanhas. Tim Laman/Reuters 

Kristofer M. Helgen, curador de mamíferos do Museus de História Natural do Smithsonian, disse que um dos animais mais fantásticos que os pesquisadores observaram foi um raro canguru arbóreo de manto dourado.

 

E embora o canguru das árvores já tivesse sido observado antes, em raras ocasiões, Helgen também descobriu o que pode ser o menor membro da família dos cangurus, um minúsculo animal também adaptado à vida nas árvores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.