Desastres naturais desalojam quatro vezes mais que conflitos

Estudo tentou quantificar o número de pessoas forçadas a deixar suas casas por causa da mudança climática

Reuters,

22 Setembro 2009 | 17h17

Enchentes, tempestades, estiagens e outros desastres naturais levaram 20 milhões de pessoas a abandonar suas casas no ano passado, quase quatro vezes mais do que o número de pessoas desalojadas por conflitos, informou um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, 22. O estudo tentou quantificar pela primeira vez o número de pessoas forçadas a deixar suas casas por causa da mudança climática.

 

Veja também:

linkChina promete plantar florestas e usar energias renováveis

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

O aquecimento global está provocando um aumento na frequência e na intensidade das tempestades e em outros padrões de alteração do clima, então, os desastres são agora "um motivador extremamente significativo de desalojamento forçado no mundo", disse o relatório. O estudo afirmou que, em 2008, 36 milhões de pessoas foram obrigadas a deixar suas casas por causa de desastres naturais de início rápido. O terremoto de Sichuan, na China, foi responsável pelo desalojamento de 15 milhões dessas pessoas, mas os desastres relacionados ao clima desabrigaram 90% do restante.

 

O relatório disse que outras muitas pessoas provavelmente foram forçadas a deixar suas casas por crises de estabelecimento mais lento, como as secas. O relatório foi feito em conjunto pelo Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários e pelo Centro de Monitoramento de Deslocados Internos (IDMC), um organismo que normalmente monitora os deslocamentos provocados por conflito.

 

O objetivo foi "ver se era possível colocar o problema em números e desenvolver uma metodologia que nos permita a fazer isso ao longo do tempo", disse a chefe do IDMC, Kate Halff. A resposta foi "sim", embora Halff tenha advertido que o esforço de monitoramento até agora "não nos dá nenhuma ideia sobre o período que essas pessoas estão desalojadas ou sobre suas necessidades. Neste estágio, são apenas um número."

 

No ano passado, mais de cinco milhões de pessoas foram desalojadas por enchentes na Índia, atribuídas, em parte, às mudanças no ciclo de monções do país. Nas Filipinas, quase dois milhões de pessoas foram forçadas a sair de casa por fortes tempestades. China e Mianmar também registraram desalojamentos em larga escala em razão de tempestades. A Ásia foi responsável por 90 por cento dos deslocamentos relacionados a desastres do ano passado, porque, segundo o relatório, "a Ásia é a região mais propensa a desastres."

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.