Atrick Kovarik/AFP
Atrick Kovarik/AFP

Mariana não abala credibilidade na COP, diz embaixador

Subsecretário-geral de Meio Ambiente afirma que tragédia foi 'desastre ambiental', mas que não tem 'impacto climático'

Luísa Martins, O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2015 | 14h39

BRASÍLIA - A tragédia ocorrida em Mariana, em Minas Gerais, com o rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, não vai comprometer a credibilidade do Brasil nas negociações da COP-21, avaliou nesta quinta-feira, 26, o embaixador José Antônio Marcondes de Carvalho, subsecretário-geral de Meio Ambiente, Energia, Ciência e Tecnologia do Itamaraty.

"Não vamos confundir as situações. O acidente em Mariana foi trágico mas não tem impacto climático, embora tenha sido um desastre ambiental", disse.

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima ocorre em Paris entre os dias 30 de novembro e 11 de dezembro, com o propósito de estabelecer um acordo de abrangência global - entre 195 países - para ser implementado após 2020.

O embaixador disse que o País é reconhecido mundialmente pela ambição de reduzir a emissão de gases de efeito estufa - 37% até 2025 e 43% até 2030 - e que ações como essa é que fortalecem o governo brasileiro nas tratativas para o acordo.

Mais conteúdo sobre:
Mariana Minas Gerais Samarco Brasil Paris

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.