Derramamento de óleo na China contamina Rio Amarelo

Centenas de milhares de pessoas foram orientadas a não beber água desse rio, um dos principais do país

Associated Press,

04 Janeiro 2010 | 08h49

Centenas de milhares de chineses foram instruídos a parar de consumir água do Rio Amarelo, depois que um oleoduto vazou 100 toneladas de diesel em um afluente.

 

O vazamento é o mais recente desastre ambiental a atingir o sistema fluvial chinês, considerado o mais poluído do mundo.

 

O diesel vazou do oleoduto rompido para o Rio Wei na quarta-feira. O Wei alimenta o Amarelo, que é a principal fonte de água para milhões de chineses.

Três municipalidades e uma zona industrial na parte oeste da província de Shanxi receberam ordens de parar de usar água do rio, de acordo com nota do governo local. As áreas têm uma população combinada de 850.000 pessoas.

 

O aviso contradiz informes anteriores, segundo os quais o vazamento já havia sido contido.

 

"Os departamentos relevantes lembram os que vivem ao longo do rio que, por questão de segurança, tanto as pessoas quanto os animais devem suspender o uso da água do Rio Amarelo para beber", diz a nota do escritório de publicidade da adminsitração da cidade de Yucheng.

Yucheng é um centro industrial a 1.160 km da capital, Pequim.

 

A nota não informa quanto do óleo chegou a atingir o Amarelo, dizendo apenas que pode haver "impacto na qualidade" do rio.

 

O segundo maior rio da China já viu a qualidade de sua água deteriorar-se rapidamente, com a poluição industrial e a queda do nível, com a água sendo desviada para abastecer cidades em constante crescimento.

 

Em 2005, substâncias cancerígenas foram derramadas no Rio Songhua, forçando a cidade de Harbin a cortar o fornecimento de água para 3,8 milhões de pessoas por cinco dias. O acidente pôs tensão nas relações entre China e Rússia, para onde as águas poluídas fluíram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.