Decisão de Lula sobre Copenhague fica para dia 14, diz ministro

A principal polêmica a ser resolvida pelo governo é a definição de uma meta de redução de emissões de CO2

Agência Estado,

03 Novembro 2009 | 14h06

A decisão final do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre quais propostas e compromissos o Brasil levará à reunião das Nações Unidas onde mais de 190 países tentarão fechar um acordo de combate á mudança climática será tomada no próximo dia 14, disse o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes.

 

Para WWF, País precisa alcançar um consenso

Brasil vive impasse entre ministérios sobre aquecimento global

 

 Lula reuniu-se, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, com vários ministros para discutir a proposta que o Brasil levará, em dezembro, à reunião que vai se realizar Copenhague (Dinamarca), no início de dezembro.

 

Participam do encontro com o presidente, além de Stephanes, os ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, da Casa Civil, Dilma Rousseff, das Relações Exteriores, Celso Amorim, de Minas e Energia, Edison Lobão, da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, e de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, além dos secretários-executivos do Ministério da Fazenda, Nelson Machado, e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ivan Ramalho.

 

A principal polêmica a ser resolvida pelo governo é a definição de uma meta de redução de emissões brasileiras de gases de efeito estuda até 2020. O ministério do Meio Ambiente defende que o Brasil assuma um compromisso com uma alta taxa de redução, mas outros setores do governo, preocupados com o impacto das metas no crescimento econômico, discordam. Esses gases são apontados pelos pesquisadores das mudanças climáticas como os principais causadores do aquecimento global.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.