Decisão de Lula sobre Copenhague fica para dia 14, diz ministro

A principal polêmica a ser resolvida pelo governo é a definição de uma meta de redução de emissões de CO2

Agência Estado,

03 Novembro 2009 | 14h06

A decisão final do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre quais propostas e compromissos o Brasil levará à reunião das Nações Unidas onde mais de 190 países tentarão fechar um acordo de combate á mudança climática será tomada no próximo dia 14, disse o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes.

 

Para WWF, País precisa alcançar um consenso

Brasil vive impasse entre ministérios sobre aquecimento global

 

 Lula reuniu-se, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, com vários ministros para discutir a proposta que o Brasil levará, em dezembro, à reunião que vai se realizar Copenhague (Dinamarca), no início de dezembro.

 

Participam do encontro com o presidente, além de Stephanes, os ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, da Casa Civil, Dilma Rousseff, das Relações Exteriores, Celso Amorim, de Minas e Energia, Edison Lobão, da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, e de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, além dos secretários-executivos do Ministério da Fazenda, Nelson Machado, e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ivan Ramalho.

 

A principal polêmica a ser resolvida pelo governo é a definição de uma meta de redução de emissões brasileiras de gases de efeito estuda até 2020. O ministério do Meio Ambiente defende que o Brasil assuma um compromisso com uma alta taxa de redução, mas outros setores do governo, preocupados com o impacto das metas no crescimento econômico, discordam. Esses gases são apontados pelos pesquisadores das mudanças climáticas como os principais causadores do aquecimento global.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.