Juan Karita/AP
Juan Karita/AP

Cúpula sobre mudança climática termina com críticas aos EUA e à ONU

Hugo Chávez pediu que países presentes na conferência na Bolívia abandonem as Nações Unidas

Efe

23 Abril 2010 | 14h51

A Conferência Mundial dos Povos sobre a Mudança Climática encerrou nesta quinta-feira, 22, com uma advertência à Organização das Nações Unidas (ONU), críticas aos Estados Unidos e a exigência aos países industrializados de que reduzam para a metade suas emissões de gases do efeito estufa até o ano de 2020.

 

Veja também:

linkBarack Obama defende uso de energia limpa

linkClima é maior preocupação de populações urbanas, diz pesquisa

especialGlossário sobre o aquecimento global

 

O término da cúpula, realizada na cidade de Tiquipaya (centro da Bolívia), coincidiu com o Dia da Terra, celebrado há 40 anos. A data conta também com a comemoração do Dia Internacional da Mãe Terra, instituído pelas Nações Unidas no ano passado por iniciativa do presidente da Bolívia, Evo Morales.

 

Além do líder boliviano, assistiram ao encerramento do evento o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, o vice-presidente de Cuba, Esteban Lazo, e o chanceler do Equador, Ricardo Patiño, entre outras autoridades.

 

Chávez antecipou que, na conferência sobre a mudança climática convocada pelas Nações Unidas para dezembro em Cancún (México), haverá conflitos se esse organismo mantiver silêncio sobre o que qualificou de "chantagem" dos EUA a outros países para ganhar apoio ao documento aprovado na cúpula de Copenhague em 2009.

 

Ele também sugeriu que os países presentes na conferência que abandonem as Nações Unidas e criem uma organização de "Povos Unidos", caso a ONU não se imponha sobre a suposta pressão americana.

 

O líder venezuelano pediu ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que se pronuncie sobre a "chantagem" que, segundo Chávez, os EUA estão impondo sobre nações como o Equador para que apoiem o documento proposto pelo presidente Barack Obama em Copenhague. O pedido foi feito depois de o chanceler do Equador denunciar que os Estados Unidos retiraram do país sul-americano uma ajuda financeira de US$ 2,5 milhões por não ter apoiado a proposta de Copenhague.

 

Chávez insistiu que a Secretaria-Geral da ONU não pode ficar calada "diante deste atropelo, diante do desconhecimento dos Governos da maior parte do mundo e desta chantagem (...) ao chanceler do Equador". "O que haverá em Cancún é outra batalha", afirmou. Neste sentido, o líder venezuelano pediu aos Governos dos outros países da Aliança Bolivariana das Américas (Alba) a bancar a viagem de organizações sociais, camponesas e ativistas a Cancún.

 

"Ajuda" de US$ 2,5 mi aos EUA

 

Por sua vez, o chanceler do Equador anunciou que seu país destinará uma ajuda de US$ 2,5 milhões aos EUA para assinarem o Protocolo de Quioto, mas também propôs uma coleta mundial para ajudar a adaptação da potência norte-americana às exigências desse acordo.

 

Segundo as denúncias de Chávez, os EUA estão aplicando uma "diplomacia seletiva" com negociações a portas fechadas para conseguir adesões ao acordo de Copenhague, que não estabelece metas de redução de gases poluentes, ao contrário do Protocolo de Quioto.

 

O acordo assinado em 1997 no Japão estabelece que os países industrializados devem reduzir em 5% as emissões de gases do efeito estufa entre 2008 e 2012, com relação aos níveis de 1990. No entanto, este aspecto não está sendo cumprido.

 

Os países participantes do evento também aprovaram a exigência de que as nações ricas reduzam até 2020 as emissões de gases do efeito estufa em 50% com relação aos níveis de 1990. Trata-se de uma meta ambiciosa, como a proposta de impulsionar a realização de um referendo mundial para abril de 2011 sobre como encarar a mudança climática.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.