Reuters
Reuters

Cúpula do clima 'não dará todas as respostas' para fechar tratado, diz ONU

De Boer diz que tratado não será possível até que países comprovem 'que existe um sistema viável'

Efe

03 Maio 2010 | 13h55

KONIGSWINTER - O responsável da ONU sobre mudança climática, Yvo de Boer, afirmou nesta segunda-feira, 3, que a Cúpula de Cancún, no final do ano, "não dará todas as respostas" necessárias na luta contra o aquecimento global, mas abrirá caminho para uma solução que não será "nem suficiente, nem definitiva, nem suficientemente boa".

 

Veja também:

linkMostra em SP revela danos do efeito estufa em povoado

linkCorte de 30% de CO2 custaria à UE mais 33 bi de euros

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono

linkEx-reitor de Princeton vai comandar revisão de painel climático da ONU

 

De Boer assinalou que o tratado legal não será possível até que os países comprovem "que existe um sistema viável" e o referendem. "Se não, seria como pedir-lhes que assinassem um cheque em branco", argumentou.

 

Segundo o dirigente da ONU, é preciso fortalecer as "relações de confiança" entre os membros das Nações Unidas danificadas após a cúpula climática de Copenhague.

 

No segundo dia do "Diálogo Climático de Petersberg", que ocorre até esta terça-feira em Königswinter, na Alemanha, Boer disse que o processo negociador "ficou seriamente prejudicado" depois que vários países criticassem sua exclusão do diálogo e defendeu por intensificar a confiança e a transparência do processo.

 

O "Diálogo Climático de Petersberg", que foi aberto neste domingo pela chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente mexicano, Felipe Calderón, prevê impulsionar o diálogo internacional sobre a redução de emissões poluentes com 45 delegações ministeriais diante da próxima Cúpula do Clima, em Cancún (México).

 

Apesar do objetivo da ONU de que em Cancún surja um tratado vinculativo de redução de emissões, que substitua o Protocolo de Kioto uma vez este expira em 2012, Boer se mostrou cauteloso e defendeu por um pacto que permita seguir trabalhando e aumentando os objetivos de redução.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.