Costarriquenha deve chefiar negociação da ONU para mudança climática

Christiana Figueres participa da equipe de negociadores da Costa Rica para a questão

Reuers

17 Maio 2010 | 12h38

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, escolheu a diplomata costarriquenha Christiana Figueres para chefiar as negociações, atualmente paralisadas, de um novo tratado internacional para conter a mudança climática, disseram fontes próximas à questão nesta segunda-feira, 17.

 

Christiana, de 53 anos, bateu o outro finalista, o ex-ministro sul-africano do Meio Ambiente Marthinus van Schalkwyk, para exercer o papel de mobilizar a comunidade internacional para a criação de um tratado que suceda ao Protocolo de Kyoto, depois do fracasso da cúpula de Copenhague em dezembro.

 

Funcionários da ONU devem apresentar a escolha de Ban a uma reunião de negociadores climáticos que ocorre na cidade alemã de Bonn. A costarriquenha será a única indicação de Ban à sucessão do holandês Yvo de Boer para a chefia do secretariado da ONU para a mudança climática. De Boer deixa o cargo em julho.

 

Christiana Figueres participa da equipe de negociadores da Costa Rica para a mudança climática desde 1995, e já ocupou altos cargos na ONU. Seu pai, José Figueres Ferrer, exerceu a Presidência do país três vezes.

 

Empresários e pessoas envolvidas no mercado de emissões de carbono apreciarão a escolha, disse Andrei Marcu, chefe de assuntos regulatórios da empresa negociadora de petróleo Mercuria, que defende a posição das empresas provadas nas negociações da ONU.

 

ONGs também devem apreciar a escolha. "Ela vem negociando em nome de um país que pretende neutralizar suas emissões de carbono até 2021. É disso que precisamos no palco global", afirmou o coordenador internacional de política climática do Greenpeace, Wendel Trio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.