Cortes de emissão 'podem derrubar PIB do Brasil em 4%'

Levantamento da ONG World Growth critica políticas sugeridas pelo Relatório Stern.

Eric Brücher Camara, BBC

07 de dezembro de 2007 | 09h05

Um estudo divulgado na Conferência da ONU Sobre Mudanças Climáticas, em Bali, afirma que se o Brasil seguir as recomendações de um relatório endossado pela União Européia, o relatório Stern, e investir pesadamente para cortar emissões de carbono o mais rapidamente possível, correria o risco de perder 4% do Produto Interno Bruto (PIB) - e não em apenas 1%, como previu o levantamento do economista britânico Nicholas Stern.Intitulado A Ameaça Climática Real para os Países em Desenvolvimento, o estudo, elaborado pela organização não-governamental World Growth, faz uma análise do possível impacto da implementação das recomendações do relatório Stern sobre economias de países em desenvolvimento. "Esse corte de 4% resultaria numa perda competitiva do Brasil frente aos mercados concorrentes. Exportações industriais, como de aviões, iriam ser afetadas, dificultando a participação brasileira nos mercados europeus", afirmou à BBC Brasil o embaixador britânico Alan Oxley, presidente da World Growth (WG).Os autores do documento enxergam nas recomendações do Relatório Stern - publicado em 2006 e que faz uma análise do impacto das mudanças climáticas sobre a economia mundial - grandes riscos para países como a China, a Índia e os chamados tigres asiáticos.Segundo as previsões da nova pesquisa, a China perderia até 15% do seu PIB e a Índia, 12%, mesmo patamar de perdas das economias asiáticas. Os autores afirmam que as recomendações do relatório europeu não encontram respaldo nas análises técnicas e avaliações econômicas do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês).A solução, ao contrário do que recomenda o Relatório Stern, seriam pequenas reduções nas emissões durante um período longo, diz o novo estudo. Com isso, afirmam os especialistas da World Growth, os países em desenvolvimento seriam capazes de investir em estratégias de alto crescimento econômico para reduzir a pobreza.Desta forma, acumulando riqueza, eles teriam condições de bancar no futuro o alto custo de adaptação e combate ao aquecimento."Nunca houve caso de um país que tenha reduzido o consumo de energia e, ao mesmo tempo, melhorado a qualidade de vida", disse Oxley.A conclusão do relatório é que para os países em desenvolvimento é mais interessante investir em programas que reduzam a pobreza, melhorem as condições de vida e de saúde das camadas mais pobres do que em cortes de emissão de CO2 para combater o aquecimento global.De fato, o relatório afirma que as recomendações do Relatório Stern para combater o problema podem "descarrilar os esforços de combate à pobreza". Por isso, a World Growth urge os negociadores a levarem em conta, quando discutirem formas de combate ao aquecimento global, "a importância de erradicar a pobreza e melhorar a qualidade de vida das populações de países em desenvolvimento".A reunião da ONU em Bali acaba no dia 14 de dezembro e discute formas de combater o aquecimento global.A expectativa é de que saiam desse encontro as bases para o substituto do Protocolo de Kyoto, o atual acordo internacional sobre emissões de gases do efeito estufa, que vence em 2012.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.