Coreia do Sul lança plano de emissões em janeiro

Comércio de carbono será feito entre municípios e, a partir de 2011, pela bolsa de valores coreana

Cho Mee-young, Reuters

30 Dezembro 2009 | 14h12

A Coréia do Sul vai lançar um plano piloto de comércio de emissões de carbono a partir de janeiro depois que o ministério coreano do Meio Ambiente recebeu 641 inscrições de organizações públicas e privadas, segundo informações do governo coreano divulgadas nesta quarta-feira. 

 

Um oficial do ministério disse que  o comércio será feito online entre os municípios no próximo ano, em linha e, a partir de 2011, pela Korea Exchange, bolsa de valores do país. O ministério ainda não decidiu o seu preço por tonelada para as emissões, de acordo com o funcionário. 

 

Um comunicado do ministério na terça disse que o novo sistema fornecerá uma base para as metas voluntárias de redução das emissões do país de para 2020. A Coréia do Sul se comprometeu a cortar as emissões em 30% de sua previsão sob um cenário de manutenção das tendências atuais - chamada de business as usual

 

"O sistema é projetado para atender a médio prazo a meta de redução de carbono do país e se conectar com mercados internacionais", afirmava o comunicado. 

 

A Coréia do Sul, um dos países onde as emissões mais crescem atualmente, disse em agosto que espera tornar-se o centro comercial da Ásia para a troca de certificados de emissão de carbono e de produtos relacionados com o seu plano para um novo mercado de carbono a partir de 2011.

Mais conteúdo sobre:
ambiente planeta mercado carbono emissões co2

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.