EDP Renováveis
EDP Renováveis

COP-26: energia solar pode representar um terço da matriz do Brasil em 2050, diz entidade

Previsão é de presidente de associação do setor, que vê Cúpula do Clima como oportunidade para o País; ele pede aceleração de projetos da área

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2021 | 10h00

O presidente da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar), Rodrigo Sauaia, afirma que  o Sol deve se tornar a principal fonte energética em diversos países nos próximos 30 anos, inclusive no Brasil. Mas para isso é preciso acelerar o ritmo atual dos projetos, que deixam  muito a desejar, avalia. Ele vê  na COP-26, em andamento em Glasgow, Escócia, uma oportunidade de divulgar os avanços na energia solar feitos no País.

Sauaia vai apresentar na conferência o que considera casos de sucesso, como os leilões de energia do governo. Eles garantiram o crescimento da fonte em 1.500% desde 2012. Assim, o País, este ano, atingiu 11 mil megawatts (MW) de potência instalada. É a mesma capacidade da usina de Belo Monte, no Pará.

“Mesmo com esse crescimento todo, ainda temos muito o que avançar, porque hoje a solar é apenas 2% da matriz energética, um porcentual pequeno diante do potencial, que pode chegar a 32% em 2050 e ultrapassar as hidrelétricas, segundo estudos e consultorias internacionais”, informou Sauaia.

O executivo já participou virtualmente de dois eventos da COP-26. Na próxima semana, vai apresentar o caso da energia solar no Brasil no Pavilhão brasileiro. Mostrará que em menos de dez anos o País passou de sete megawatts (MW) de potência instalada da fonte solar para 11 mil MW. Sauaia também é vice-presidente do Global Solar Council. É uma entidade internacional fundada em 2015, na COP-21, que reúne 40 países.

“A Global Solar é uma iniciativa privada de apoio ao desenvolvimento e aos compromissos assumidos pelos países para redução de gases do efeito-estufa, reconhecendo que a energia solar fotovoltaica é uma grande ferramenta a favor da redução de emissões no mundo como um todo”, explicou, lembrando que o setor de energia ainda é o principal emissor de gases efeito estufa no mundo.

Um primeiro acordo foi assinado na COP-26 entre representantes globais da energia solar e eólica. Seu objetivo é acelerar a instalação dessas fontes, que hoje já são as mais baratas em grande parte do mundo. Segundo Sauaia, a energia solar já é mais barata em países que representam dois terços da população mundial. Além de custar menos, destacou, a fonte tem sustentabilidade. É uma tecnologia reciclável, com reaproveitamento dos equipamentos no fim da vida útil.

“É uma oportunidade enorme de vários países virarem esse jogo. Vários países estão com metas e compromissos audaciosos (na COP26), colocando a energia solar como uma grande ferramenta para atingir o objetivo”, afirmou.

O presidente da Absolar cita o caso dos Estados Unidos. Segundo maior emissor de gases-estufa do planeta, o país apresentou dois compromissos estratégicos. O primeiro é tornar toda a matriz elétrica limpa até 2035. A segunda é a de que a energia solar vai passar de 4% para 45% do suprimento de energia dos EUA até 2050. “É uma gigantesca revolução solar que os Estados Unidos vai promover neste horizonte”, ressaltou.

Para ter sucesso, os Estados Unidos alocaram , há cerca de dez anos, recursos específicos para pesquisa e desenvolvimento, para reduzir o custo da energia solar, o chamado Sunshot. É uma referência ao programa Moonshot, que levou o homem à lua. Segundo Sauaia, o Brasil deveria fazer algo parecido, para incentivar ainda mais a energia solar no País.

“O Brasil poderia estar indo muito melhor. O Brasil está atrasado nas duas pontas, nas usinas de grande porte e na geração distribuída. Países muito menores do que o Brasil em termos de população, como é o caso da Austrália, já estão atingindo 3 milhões de sistemas solares nos telhados. E o Brasil não chegou nem ao primeiro milhão (de sistemas solares)”, afirmou.

Hoje, o Brasil tem 800 mil consumidores atendidos e cerca de 750 mil sistemas solares em operação. O maior crescimento foi conduzido pela geração distribuída (geração própria de energia, à parte dos grandes geradores).

"A gente já tem mais de meia Itaipu (hidrelétrica) em telhados solares e demandou zero do governo em investimentos. Hoje são as pessoas (físicas), o CPF, investindo em energia solar, três em cada quatro sistemas de geração solar no Brasil estão nas casas, 42% de todo investimento feito foi pelo CPF”, disse o executivo. Ele destaca também a importância dos leilões de energia, mas que, por questões conjunturais, têm contratado cada vez menos energia.

O Brasil é um dos países com energia solar mais barata do mundo. Desde o primeiro leilão, em 2014, o preço da solar fotovoltaica caiu 70%. Foi de US$ 100 o megawatt-hora (MWh) para entre US$ 20 e US$ 30 o MWh no último leilão de 2019.

“Nós temos esse recurso abundante (irradiação solar), nós temos totais condições, mas precisa ser estruturado um plano claro de governo, como os EUA lançou, como a China lançou, como a Índia lançou. A gente precisa incorporar essa tecnologia como eixo estratégico do nosso desenvolvimento sustentável, tanto na geração de grandes usinas, como para sociedade poder investir ela própria nessa tecnologia”, avaliou.

Sauaia observou, no entanto, que a energia solar não é uma “bala de prata”. O mundo, afirmou, vai precisar de outras energias, com fontes como a eólica, o maior uso de biomassa e o biogás, e as próprias hidrelétricas, para alcançar as metas do Acordo de Paris e tentar manter o aquecimento global em 1,5 graus.

A eletromobilidade, na avaliação do executivo, será fator fundamental para a descarbonização da economia, assim como o fim ou pelo menos redução dos incentivos governamentais à energia fóssil. “Os veículos elétricos vão ajudar a reduzir muito as emissões, porque dentro do mundo da energia, os transportes são parte forte da emissão, inclusive no Brasil. O setor de transporte hoje emite mais do que a geração de energia elétrica, por conta da nossa base de energia renovável . Essa virada para a eletromobilidade e para os combustíveis verdes, etanol, biodiesel, de baixa emissão, também vai ter papel estratégico”, destacou.

A expectativa de Sauaia é que o Brasil finalize em breve a adesão da Aliança Solar Internacional, da qual é signatário desde 2016. A medida abrirá o País para financiamentos internacionais para o setor, programas de capacitação de pessoas e de pesquisa e desenvolvimento, entre outras vantagens.

O processo ainda depende do Congresso Nacional, mas já foi aprovado pela Comissão de Minas e Energia. A entidade quer mobilizar mais de US$ 1 trilhão em investimentos para a implementação de energia solar até 2030.

“É importante o Brasil finalizar esse processo de adesão, que não tem custo nenhum, para que a gente tenha protagonismo nessa entidade governamental multilateral, assim como já aderimos à Agência Internacional de Energia (AIE) e à Irena (Associação Internacional de Energia Renováveis).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.