Danny Lawson/PA via AP
Danny Lawson/PA via AP

COP define o ‘livro de regras’ do Acordo de Paris, mas não avança em ambição

Foram definidas diretrizes sobre como as nações deverão reportar suas emissões de gases de efeito estufa e seus esforços para reduzi-las; Chile vai sediar conferência do ano que vem, da qual Brasil abriu mão

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2018 | 21h35

A 24ª Conferência do Clima (COP) da ONU, realizada ao longo das duas últimas semanas em Katowice, na Polônia, terminou na noite deste sábado, 15, entregando o que prometeu – o chamado “livro de regras” sobre como vai funcionar o Acordo de Paris, que estabeleceu em 2015 esforços de 195 países para tentar conter o aquecimento global a 1,5°C até o final do século. 

Foram definidas, por exemplo, as diretrizes sobre como as nações deverão reportar de modo transparente suas emissões de gases de efeito estufa e seus esforços para reduzi-las. Mas pouco se avançou em termos de aumentar a ambição dos países para diminuir ainda mais suas emissões nos próximos anos. 

Os negociadores trabalharam sob o alerta quase gritante do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), encomendado pela própria conferência, que mostrou no início de outubro que, se o ritmo de emissões continuar, por volta de 2040 o planeta poderá já ter atingido o 1,5°C de aquecimento. Até o final do século, se forem adotadas somente as metas já estabelecidas, a temperatura pode subir até 3°C.

O grupo internacional de cientistas mostrou também que um mundo 2°C mais quente é muito pior que 1,5°C, então seria bom tentar conter o aquecimento nesse limiar. Por enquanto, porém, os alertas não surtiram efeito.

Brasil e Chile

Do ponto de vista de expectativas nacionais, o destaque dessa reunião foram os questionamentos sobre para onde o Brasil deve seguir em relação aos seus esforços contra as mudanças climáticas. O País, que ajudou a costurar o Acordo de Paris e é o berço da Convenção do Clima da ONU, criada na Rio-92, chegou à Polônia com a má notícia de que tinha desistido de sediar, no ano que vem, a COP 25, após pedido do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Também levava a ameaça de que o novo governo poderá abandonar o acordo.

Se oficialmente a questão não foi parar na mesa de negociação, diplomatas, delegados e outros membros da sociedade civil do Brasil foram questionados constantemente nos cafés, nos cantos das salas e nas reuniões bilaterais sobre o que vai acontecer.

Na sexta-feira, foi definido que o Chile vai abrigar a reunião da qual o Brasil abriu mão. Também concorreram Costa Rica, Guatemala e Honduras. No twitter, Bolsonaro voltou a afirmar sua posição, dizendo que a conferência custaria R$ 500 milhões ao Brasil. Ele disse que o evento poderia “constranger o futuro governo a adotar posições que requerem um tempo maior de análise e estudo”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.