COP-10: Ambientalistas defendem moratória para projetos de geoengenharia

ONU afirma que a questão será parte do próximo relatório do painel do clima, em 2013

Reuters

21 Outubro 2010 | 14h16

Em um encontro sobre as perdas de espécies animais e vegetais da COP-10 da Biodiversidade, que começou nesta semana em Nagoya, Japão, grupos de ativismo ambiental defenderam que as Nações Unidas devam impor moratória sobre projetos de "geoengenharia", como vulcões artificiais e esquemas de pulverização de nuvens com água do mar, criados para evitar o aquecimento global.

 

Os ambientalistas temem que esses projetos, apesar da preocupação em torno das mudanças climáticas, possam ameaçar a natureza e a humanidade, sob a justificativa de que os impactos da manipulação da natureza em grande escala não são completamente conhecidos, podendo representar um alto risco à biodiversidade.

 

Veja também:

blog Bill Gates e o resfriamento global

link Governo Obama estuda opções radicais contra o efeito estufa

 

Alguns países contam com projetos de geoengenharia, que custam bilhões de dólares, como caminhos possíveis para controlar as mudanças climáticas através da redução da quantidade de luz solar que atinge a terra ou da absorção do excesso de gases estufa, particularmente o dióxido de carbono.

 

"É absolutamente inapropriado que um punhado de governos de países industrializados optem pela geoengenharia sem a aprovação do resto do mundo", defende Pat Mooney, da organização de advogados ETC Group, com base no Canadá. "Eles não deveriam proceder com esses experimentos ou com seus desenvolvimentos sem o consenso da ONU."

 

Alguns grupos de conservação também afirmam que a geoengenharia é um dispositivo que alguns governos e empresas utilizam para deixar de tomar medidas que de fato diminuam as emissões de carbono. O painel do clima da ONU afirma que a geoengenharia será parte do seu próximo relatório em 2013.

 

Refletores Solares

 

Alguns dos projetos de geoengenharia propostos incluem:

 

- A fertilização dos oceanos. Grandes áreas são aspergidas com ferro e outros nutrientes para, artificialmente, estimular o crescimento de fitoplâncton, que absorve o dióxido de carbono. Esse projeto pode provocar proliferação de algas tóxicas e matar peixes e outros animais.

 

- Pulverizar a atmosfera com água do mar para aumentar a refletividade e a condensação de nuvens, que assim mandariam mais luz solar de volta para o espaço.

 

- Colocar trilhões de pequenos refletores solares no espaço para cortar a quantidade de luz que alcança a Terra.

 

- Vulcões artificiais. Pequenas partículas de sulfato e outros materiais são lançadas à estratosfera para refletir a luz do sol, simulando o efeito de uma erupção vulcânica.   

 

- Captura e armazenamento de carbono. Esse projeto é apoiado por um grande número de governos, e envolve a captura de CO2 de estações de energia, refinarias e poços de gás natural, para posteriormente bombeá-lo para camadas subterrâneas.

 

Mooney afirma que a COP-10, da Convenção da Diversidade Biológica (CBD) da ONU, deveria expandir a moratória na fertilização dos oceanos, acertada em 2008, para todos os projetos de geoengenharia, apesar de a proposta ter encontrado resistência de alguns países, inclusive o Canadá, no início deste ano. O país afirmou, em Nagoya, que iria trabalhar junto às resoluções da CBD.

 

"O Canadá está preocupado simplesmente com a falta de clareza na definição das atividades que se caracterizam por 'geoengenharia'", declarou a chefe da delegação canadense em Nagoya, Cynthia Wright. "Nós partilhamos da preocupação da comunidade internacional sobre os potenciais impactos negativos e estamos dispostos a trabalhar junto à CBD para evitá-los."

 

Ambientalistas dizem que a geoengenharia vai contra o foco das discussões de Nagoya, que buscam novas medidas para proteger a natureza até 2020, como aumentar o número de terras e áreas marinhas protegidas, reduzir a poluição e fiscalizar a pesca.

 

"Nós estamos definitivamente a favor da pesquisa em geoengenharia, em todos os seus campos, mas não ainda de sua implementação. Ainda é muito perigoso. Nós não sabemos quais serão seus efeitos", declarou François Simard, do grupo de conservação IUCN. "O que precisamos fazer para combater as mudanças climáticas é conservar a natureza, e não tentar transformá-la."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.