Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Concentração de gases do efeito estufa bate recorde em 2018

Organização Meteorológica Mundial, agência da ONU, advertiu que não há 'indícios de desaceleração visíveis'

das agências, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2019 | 16h46

GENEBRA - Os principais gases responsáveis pelo efeito estufa na atmosfera tiveram concentração recorde em 2018, segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 25, pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência da Organização das Nações Unidas (ONU). O monitoramento também indica que não há "indícios de desaceleração visíveis" da quantidade de poluentes lançados na atmosfera. 

De acordo com os cientistas, o dióxido de carbono (CO2),  o principal gás causador do efeito estufa, bateu novo recorde de concentração em 2018, de 407,8 partes por milhão (ppm). Ou seja, nível 147% maior que o pré-industrial de 1750. Em relação a 2017, a alta foi de 0,56%. 

O alerta foi divulgado poucos dias antes do início da reunião anual da ONU sobre a luta contra a mudança climática, a COP25, que acontece entre os dias 2 e 13 de dezembro, em Madri, na Espanha. A última vez que a Terra teve uma concentração tão elevada de gás carbônico, segundo a OMM, foi em um período entre 5 e 3 milhões de anos atrás. 

"Não há indícios de que vá acontecer uma desaceleração e muito menos uma diminuição da concentração dos gases causadores do efeito estufa, apesar de todos os compromissos assumidos no Acordo Climático de Paris", disse Petteri Taalas, secretário-geral da OMM.

Neste ano, o governo dos Estados Unidos oficializou a saída do tratado global, que foi assinado por 195 países em 2015 com objetivo de articular esforços contra o aquecimento global. A retirada do pacto era uma das promessas de campanha do presidente Donald Trump. A gestão Jair Bolsonaro chegou a fazer diversas críticas ao acordo climático. Mas depois  garantiu que não vai abandonar o compromisso, diante do receio do agronegócio de perder parceiros comerciais, principalmente europeus, preocupados com a sustentabilidade dos produtos comprados.  

O documento da OMM não leva em consideração as quantidades de gases do efeito estufa emitidas na atmosfera, mas sim as que permanecem nela, já que os oceanos absorvem quase 25% das emissões totais – assim como a biosfera, à qual pertencem as florestas. "Se não fizermos nada se atingirá uma elevação entre três e cinco graus (da temperatura média global) no fim do século", alertou Taalas. A comunidade científica prevê aumento de desastres climáticos se superada a linha de aumento de 1,5 graus Celsius até 2100. 

Ritmo de poluição atmosférica se acelera

A OMM também destacou que o aumento anual da concentração de CO2, que persiste durante séculos na atmosfera e ainda mais tempo nos oceanos, foi superior à taxa de crescimento média dos últimos 10 anos. Os cientistas também destacaram o aumento das concentrações de metano (CH4), que aparece em segundo lugar entre os gases do efeito estufa com maior persistência, e de óxido nitroso (N2O). Esses dois gases também tiveram aumento acima da média anual da última década. 

O metano, cujas emissões são provocadas em 60% pela atividade humana (gado, cultivo de arroz, exploração de combustíveis fósseis, aterros, etc), e o óxido nitroso, com 40% das emissões de origem humano (fertilizantes, processos industriais...), também alcançaram níveis máximos de concentração. O óxido nitroso também tem um forte impacto na destruição da camada de ozônio, que filtra os raios ultravioleta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.