Comunidade internacional renova acordo para frear poluição na Antártida

Turismo promovido por 'agências independentes' é a maior ameaça aos ecossistemas do continente

EFE

12 de agosto de 2010 | 17h18

Delegados de 28 países se comprometeram em frear a poluição causada por atividades científicas na Antártida e, principalmente, pelos milhares de turistas que visitam anualmente o chamado "continente branco".

 

O acordo foi firmado durante a reunião anual do Conselho de Administradores de Programas Antárticos Nacionais (Comnap, na sigla em inglês) depois de quatro dias de deliberações em Buenos Aires.

 

As partes resolveram coordenar políticas que incluem a criação de áreas de proteção do ecossistema e um maior controle para impedir descumprimentos de normas ecológicas e de segurança.

 

Uma das principais preocupações do comitê é a "conduta negligente" de turistas que visitam a Antártida em pequenos navios que estão fora dos registros da agência internacional regulador dessa atividade.

 

"Não queremos limitar a presença de turistas na Antártida, mas sim vigiar melhor suas atividades para que respeitem as normas ambientais", disse Mariano Mémolli, delegado argentino na reunião de Buenos Aires.

 

Ele calcula que 40 mil turistas visitam anualmente o continente, e boa parte deles viaja em navios que não estão autorizados pela agência internacional de turismo na Antártida.

 

"Muitos dos turistas independentes estão fora de controle. Eles vão às áreas de pinguins, o que aumenta a mortalidade (das aves), jogam lixo e até roubam elementos históricos", lamenta.

 

Analisou-se a implantação de medidas que limitem este tipo de turismo e punam as ações negligentes, mas os países do Tratado da Antártida carecem atualmente das "ferramentas jurídicas necessárias" para limitar e controlar o turismo independente.

 

Mémolli explicou que navios turísticos não registrados viajam rumo à Antártida saindo de portos de países que não são parte do tratado, que entrou em vigor em 1961 e conta atualmente com 48 signatários, entre membros consultivos (plenos) e associados. Esses países realizam programas de pesquisa científica, seja por meio de bases próprias ou em cooperação com outros.

 

Os porta-vozes assinalam que, na reunião de Buenos Aires, também houve muita preocupação com os pequenos ou grandes vazamentos de combustível que podem ocasionar os navios que navegam pela zona antártica.

 

O último grave acidente ocorreu em 2007 com o naufrágio do cruzeiro Explorer, que estava registrado na agência internacional de turismo antártico, quando naufragou próximo às ilhas Shetland do Sul com 185 mil litros de óleo a bordo.

 

Os representantes do Comnap se comprometeram também a aumentar a cooperação entre os países do Tratado da Antártida em matéria de pesquisa científica, especialmente no estudo do avanço da mudança climática.

 

As geleiras antárticas perdem atualmente 5 bilhões de toneladas de gelo por ano, indicou Mémolli.

Os delegados internacionais acordaram também melhorar a comunicação entre as distintas bases científicas antárticas, assim como desenvolver o uso de energias alternativas e impulsionar projetos educativos e culturais.

 

Brasil, Reino Unido, Espanha, Estados Unidos, Rússia, Austrália, Argentina são alguns dos 28 membros consultivos do Tratado da Antártida, que regula aspectos sobre a liberdade de pesquisa, defesa ambiental, não-proliferação nuclear e preservação pacífica da Antártida.

Tudo o que sabemos sobre:
antártidapoluiçãoturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.