Compromissos firmados até agora levarão a temperatura a subir 3º C

Relatório da ONU afirma que é preciso reduzir em 30% as emissões para garantir que temperatura global suba "apenas" 2º C

17 Dezembro 2009 | 20h20

Uma análise confidencial das Nações Unidas obtida pelo jornal britânico The Guardian revela que os índices de redução de emissões oferecidos na tentativa de acordo que está sendo fechada em Copenhague levarão a um aumento de 3ºC na temperatura global. A análise compromete seriamente a atuação dos governos cuja atribuição é limitar as emissões para um nível que garanta um aumento de não mais do que 2º C na temperatura global durante o próximo século, e indica que as últimas 24 horas de negociações serão extremamente difíceis.

 

Ele mostra uma diferença de até 4,2 gigatoneladas de emissões de carbono entre os compromissos presentes e o nível necessário para que a temperatura fique abaixo de um aumento de 2ºC - que é de 44 gigatoneladas. "Se a diferença remanescente, de cerca de 1,9 a 4.2 gigatoneladas, não for tratada seriamente, e se os países do Anexo 1 não se comprometerem a agir com mais vigor antes e depois de 2020, as emissões globais permanecerão em um nível insustentável, que pode levar a uma concentração de 550 partes por milhão ou maior, o que elevará a temperatura em cerca de 3º C ", diz o documento.

 

 

Veja também:

link Lula pede 'ambição' no corte de emissões em discurso na COP

som Ouça trecho do discurso de Lula na COP-15 pelo Território Eldorado

linkEUA propõem US$100 bi/ano de países ricos para fundo 'verde'

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial Entenda as negociações do novo acordo  

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Um aumento desse nível significaria a exposição de 170 milhões de pessoas ao risco de inundações costeiras e de 550 milhões à fome, e ameaçaria até 50% das espécies de extinção. Mesmo um aumento de 2ºC levaria à queda acentuada no rendimento das culturas tropicais, além de inundações e secas. O documento foi elaborado pelo Secretariado encarregado do resumo de acordo final da Conferência do Clima e é datado de 11 de dezembro(terça-feira). Foi rotulado pelos organizadores como material para não ser distribuído, pois trata-se de um rascunho inicial.

 

A manutenção do aumento das temperaturas médias em menos de 2ºC, em relação aos níveis pré-industriais, tornou-se o objetivo que todos os países ricos comprometeram-se a tentar alcançar em Copenhague.

 

Contudo, 102 dos países mais pobres do mundo estão forçando as negociações para conseguir reduções maiores nas emissões, que resultariam em um aumento da temperatura não superior a 1.5º C. Qualquer coisa abaixo disso,dizem eles, deixaria milhões de pessoas no mundo sem-teto,

incapazes de se alimentar e expostas a catastróficos climáticas e aos desastres a elas relacionados.

 

"Passos adicionais são possíveis e necessárias para preencher a diferença entre os níveis necssários e os que alcançamos até agora. Isso poderia ser feito aumentando as reduções das emissões globais em pelo menos 30% com relação a era pré-industrial, e com mais ações voluntárias por parte dos países em desenvolvimento, que poderiam se comprometer a reduzir suas emissões em pelo menos 20%, sem esquecer de tentar reduzir emissões provenientes do desmatamento, da aviação internacional do transporte marítimo ", indica o relatório.  (Com informações do The Guardian)

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.