Comissão volta a discutir futuro da caça às baleias

A Comissão Baleeira Internacional (CIB), criada em 1946 para regulamentar a caça às baleias, abriu ontem, na Ilha de Jersey (Reino Unido), seu 63.º encontro anual, com representantes de 89 países.

O Estado de S. Paulo

12 Julho 2011 | 09h31

A reunião discute o futuro da caça desses animais. Busca também determinar quantas baleias podem ser caçadas para fins científicos e quais países vêm desrespeitando a proibição da captura comercial, vigente desde 1986.

Países como Noruega e Islândia mantiveram a pesca de baleias e abateram, respectivamente, 536 e 38 animais em 2009. O Japão caçou 1.004 baleias em 2009, a maioria na Antártida, sob protestos de ambientalistas.

Para a reunião, a expectativa é de que temas como o bem-estar dos animais entrem na agenda. A Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA, na sigla em inglês) elaborou, em parceria com o governo do Reio Unido, um novo relatório para a inclusão do tema na pauta do encontro. "É preciso obter avanços contra as práticas cruéis de matança destes animais", diz Claire Bass, à frente das campanhas para os oceanos da WSPA.

No Brasil, a caça às baleias é proibida por lei desde 1987 e as águas costeiras são consideradas santuário internacional para várias espécies de baleias. / ANDREA VIALLI, com EFE

Mais conteúdo sobre:
PlanetaBaleiasVersão impressa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.