Comida com baixa pegada ambiental

‘Cook it Raw’ reúne chefs do mundo todo na Lapônia para a criação de pratos com ingredientes naturais

AP

14 de setembro de 2010 | 20h34

Rene Redzepi estava agachado e usando uma faca afiada para remover liquens de rochas. Os tubinhos verdes esguios geralmente servem de alimento para as renas nessas paragens, acima do círculo Ártico.

 

"Se os animais podem comer, nós também podemos", disse Redzepi, que estava na Lapônia acompanhado de outros 13 chefs entre os mais influentes do mundo, coletando alimentos. A ideia é cavar o solo e fazer uma refeição com o que conseguirem encontrar em um dos últimos lugares intocados da Terra.

 

Chamado de "Cook it raw", o evento acontece pela terceira vez em pouco mais de um ano. Os chefs caçam, pescam e coletam - a cada edição em um local diferente - e então preparam refeições com a menor pegada ambiental possível.

 

Dois italianos, um consultor de restaurantes e um crítico gastronômico, organizaram o primeiro "Cook it Raw" como um prelúdio à Conferência do Clima em Copanhague, no ano passado. Na ocasião, solicitaram aos chefs que preparassem pratos usando pouca energia ou energia advinda de fontes não convencionais, o que resultou em memoráveis criações, como os "camarões contorcendo-se vivos" ou a "sopa de poluição" de Massimo Bottura, projetando um futuro no qual somente lulas e águas-vivas poderão ser encontradas nos oceanos.

 

O grupo então se reuniu novamente em janeiro, em Friuli Venezia Giulia, Itália, onde os ingredientes utilizados incluíram carne de veado crua e uma rara chicória Rosa di Gorizia.

 

Desta vez, voaram para Helsinki de locais tão distantes quanto Londres, Nova York, São Paulo e Tókio, depois tomaram um trem no qual viajaram 14 horas rumo ao Norte e se maravilharam com a generosidade de uma terra onde as luzes do norte brilham como uma nuvem elétrica verde e as populações indígenas têm cerca de 90 palavras para identificar a neve. Mas a civilização está cobrando seu pedágio também neste local distante, na medida em que o aquecimento global está elevando as temperaturas e as companhias estrangeiras estão explorando ouro.

 

À medida em que o planeta se transforma, um crescente número de chefs está se voltando para ambientes selvagens e criando uma maneira de cozinhar que se tornará o próximo grande movimento gastronômico depois da gastronomia molecular.

 

Um dos pioneiros, Redzepi, que é dinamarquês, aparece este ano pela primeira vez na lista da Restaurant Magazine. Seu restaurante, Noma, em Copenhague, foi eleito um dos 50 melhores de acordo com a publicação. Na Lapônia, ele descortinou um novo mundo de possibilidades gastronômicas nos felpudos cogumelos e musgos do solo da floresta. Para o jantar, cobriu cenouras com as folhas agulhosas dos pinheiros e colocou-as no vapor, para que os óleos essenciais impregnassem os vegetais.

 

"Estamos mostrando aos outros como coletar ingredientes da natureza, pois as coisas que você encontra na floresta tem sabro melhor do que qualquer ingrediente plantado", disse ele. "Experimente um blueberry selvagem e depois um que foi plantado. Sua referência sobre o sabor de um blueberry vai mudar para sempre".

O chef superstar David Chang, do restaurante Momofuku, em Nova York, também participou. Ele criou uma versão da Lapônia para uma sopa japonesa, com abeto e leite de rena.

 

Bottura, o conceituado chef da Osteria Francescana, em Módena, na Itália, cozinhou línguas de rena por 22 horas. E fez isso em seu banheiro, para acompanhar o cozimento durante a noite. Ele escolheu propositalmente uma parte do corpo do animal que outros chefs provavelmente descartariam. "Nossa culinária não trata mais de conectar ou não os ingredientes. Trata de influenciar a vida cotidiana. O futuro da cozinha é a estética e a ética andando juntas".

 

Alex Atala, chef brasileiro, voou de São Paulo, onde tem um restaurante - o D.O.M. - no qual utiliza ingredientes da Amazônia. Indignado com o desmatamento, ele comprou 57 mil acres de terras na floresta na tentativa de protegê-los.

 

"O despertar da minha consciência também se deu através de meu trabalho como chef", diz ele.

 

O chefe Albert Adria, que fez sua fama juntamente com seu irmão Ferran no restaurante espanhol elBulli, criou "neve", usando flocos frescos que caíram sobre um cocktail quente de "berries".

 

"Se você ficar perdido durante três semanas na floresta selvagem, você vai ter de comer renas e beber neve", explicou ele.

Tudo o que sabemos sobre:
cozinhaLapôniapegada ambientalchefs

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.