Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Colisão de robô submarino agrava vazamento de petróleo no Golfo do México

Robô danificou sistema uqe vinha canalizando parte do vazamento para um navio

REUTERS

23 de junho de 2010 | 18h58

Petróleo vazou praticamente sem controle do poço explodido da British Petroleum no Golfo do México nesta quarta-feira, 23, depois que uma colisão envolvendo um robô submarino danificou o sistema que vinha sendo usado para coletar parte do óleo que transborda para o oceano, no pior vazamento da história dos Estados unidos.

 

Enquanto a BP lutava para reativar a operação de coleta do óleo, o governo dos EUA informou que imporá uma proibição mais flexível á perfuração de petróleo em águas profundas, depois que um juiz federal derrubou a moratória inicial, considerada excessivamente ampla.

 

Depois de conseguir retirar do oceano uma quantidade recorde de petróleo na terça-feira, a BP sofreu um revés quando o robô submarino colidiu com a tampa de contenção que dirige o óleo para um navio.

 

O almirante da Guarda Costeira Thad Allen disse a jornalistas que o sistema de coleta poderá voltar a funcionar depois de passar por uma verificação de segurança.

 

Ele disse que a colisão não havia deixado o vazamento totalmente descontrolado. Parte do petróleo ainda está sendo queimada na superfície.

A tampa foi instalada em 3 de junho, e capturou 16.600 barris na terça-feira, de acordo com a BP.

 

Uma operação separada de queima, que havia coletado 10.500 barris, ainda funciona. Uma equipe de cientistas estima que o vazamento derrama de 35.000 a 60.000 barris ao dia.

Tudo o que sabemos sobre:
golfo do méxicopetróleovazamentobp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.