Clima e economia vão centrar terceira cúpula entre UE e Brasil

Ambas as partes se comprometerão em buscar um acordo global ambicioso na conferência de Copenhague

Efe,

05 Outubro 2009 | 16h32

A União Europeia (UE) e Brasil realizarão na terça-feira, 6, em Estocolmo, a terceira cúpula em que a recuperação econômica mundial e a luta contra a mudança climática serão os temas centrais, entre outros temas.

 

Veja também:

linkNegociação para Copenhague está lenta, diz presidente da CE

linkNão se pode separar economia e ecologia, diz Jeffrey Sachs

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

Fredrik Reinfeldt, primeiro-ministro sueco e presidente rotativo do Conselho, será o anfitrião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do presidente da Comissão Europeia (CE), o português José Manuel Durão Barroso.

 

Os titulares brasileiros de Relações Exteriores, Celso Amorim, e de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, assistirão à reunião, junto às comissárias europeias de Relações Exteriores, Benita Ferrero-Waldner, e de Comércio, Catherine Ashton.

 

Segundo uma minuta da declaração conjunta que adotarão a União Europeia (UE) e Brasil ao término da cúpula, documento que a Agência Efe teve acesso, ambas as partes se comprometerão em buscar um acordo global positivo e ambicioso na conferência da ONU sobre o clima, que será realizada em Copenhague em dezembro.

 

Como meta os países propõem que as emissões de carbono comecem a cair no máximo em 2020 e que o nível global se reduza em 2050, pelo menos, 50% respeito aos níveis de 1990, para o que veem necessário promover as energias renováveis, incluindo o uso de biocombustíveis sustentáveis.

 

No plano de política internacional e em vista dos recentes eventos políticos em suas respectivas regiões, a UE e o Brasil se comprometem em consolidar a segurança, estabilidade e prosperidade em seus países, assim como promover os direitos humanos, a democracia e o estado de direito.

 

A cúpula vai servir ainda para a UE e o Brasil darem continuidade às discussões da última reunião do Grupo dos Vinte (G20, países mais industrializados e os principais emergentes) em Pittsburgh, no estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, realizada entre 24 e 25 de setembro, para desenvolver planos conjuntos.

 

Concretamente, querem iniciar os projetos de cooperação triangular entre a UE, Brasil e países em desenvolvimento interessados, especialmente os países africanos de língua portuguesa, Timor-Leste e Haiti, em áreas como saúde, energia, agricultura e a educação.

 

Entrará na pauta ainda a conclusão das negociações de um acordo de isenção de visto e o compromisso de colocá-lo em andamento o mais rápido possível.

 

Letônia, Chipre, Malta e Estônia eram as nações da UE cujos cidadãos ainda necessitavam um visto para viagens curtas ao Brasil, apesar de os brasileiros poderem entrar em todos os Estados-membros sem ter de solicitá-lo.

 

Ao término da cúpula, Brasil e Suécia - que já são membros estratégicos - assinarão acordos bilaterais sobre consulta política e cooperação em tecnologia e inovação, e adotarão um plano de ação.

 

Barroso e Lula vão participar de um encontro com os maiores empresários do Brasil e a UE, organizado pela Presidência sueca.

Mais conteúdo sobre:
AQUECIMENTO GLOBAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.