Araquém Alcântara
Araquém Alcântara

Claramente existe um cenário de mudanças climáticas no Pantanal, diz especialista

Focos de incêndio mobilizou bombeiros em vários pontos de Mato Grosso do Sul nos últimos dias; coordenador de projetos do WWF-Brasil aponta para necessidade de reforçar conscientização e aparato antifogo

Ítalo Cosme,, Especial para o Estadão

13 de julho de 2021 | 05h00

Nos últimos dias, o Pantanal voltou a registrar grandes focos de incêndio em Mato Grosso do Sul, o que tem mobilizado bombeiros em vários pontos do Estado. O cenário de estiagem severa ajuda a espalhar as queimadas pela região e, segundo a previsão do governo, as chuvas entre julho e setembro serão 50% menores do que o previsto para esta época. O que sobra são grandes áreas de vegetação destruída e animais feridos e mortos. 

Para Cássio Bernardino, coordenador de Projetos do WWF Brasil, já é possível observar efeitos das mudanças climáticas no bioma e a expectativa é de que a seca no Pantanal perdure. Segundo ele, investir na conscientização das pessoas, reforçar as brigadas e melhorar a estrutura estatal de combate ao fogo são essencias para evitar prejuízos ainda maiores ao meio ambiente. Leia a entrevista abaixo.

 

1. Qual é o quadro de queimadas no Pantanal hoje?

Entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, houve algumas chuvas no Pantanal. Isso controlou a situação dos incêndios. Este ano, houve baixas precipitações. Choveu mais ou menos a metade do esperado. O nível do rio (Paraguai) segue muito baixo. Em Mato Grosso do Sul, onde temos uma régua de monitoramento, era esperado nível de 3,5 metros, mas está em cerca de 1,5. O cenário de rio baixo, secas, baixa precipitação e o fim precoce das chuvas fizeram com que o fogo recomeçasse agora. Pela primeira vez este ano, verificamos o número de focos de calor superior ao de 2020. Neste julho, o aumento é de 26%. Há previsões de modelos estatísticos de que essa seca perdure. A expectativa dos especialistas é de que se comece a enfrentar um ano difícil em termos de incêndios no Pantanal.

2. O que é possível fazer para conter esse fogo? 

Importante ter a conscientização das pessoas. Precisamos também introduzir novas técnicas na pecuária que possibilitem a pastagem sem uso do fogo, além de introduzir mecanismos de combate. Brigadas comunitárias são importantes porque são as primeiras a chegar no foco do incêndio; e é preciso maior aparato estatal para combater este fogo. 

3. Há semelhanças entre os eventos registrados em 2020 e os de agora?

É uma situação que se iniciou em 2019, com o recorde em foco de calor, níveis muito baixos do rio e precipitações menores. Em 2020, um pico, e agora em 2021 está se repetindo. Com o fim das chuvas, incêndios voltaram e o rio segue muito baixo. Claramente, o cenário é de mudanças climáticas na região. Tudo indica que há tendência de seca no Pantanal.  Por isso, é tão importante que seja adotada essa estrutura de combate ao fogo, políticas de maneira integrada do fogo e, principalmente, que o Brasil enderece os seus grandes desafios de conservação. Porque esses incêndios estão emitindo gases de efeito estufa, contribuem pro aquecimento global, dizimam populações de animais e de plantas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.