Cientista diz que seria melhor fracasso de cúpula sobre o clima

Para James Hansen, 'qualquer acordo seria tão ruim que seria preciso começar tudo outra vez do zero'

Efe,

03 Dezembro 2009 | 10h15

O cientista James Hansen, que alertou ao mundo sobre o perigo do aquecimento global da terra, acredita que seria melhor para o planeta e as futuras gerações que a cúpula de mudança climática de Copenhague terminasse em fracasso. Em entrevista publicada nesta quinta-feira, 3, no jornal The Guardian, Hansen - que lançou sua advertência há duas décadas - disse que qualquer acordo seria tão ruim que seria preciso começar tudo outra vez do zero.

 

Veja também:

linkChina se alinha a Brasil e Índia em exigências sobre clima

linkGrandes emergentes são contra cortar emissões em 50%

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo

 

O analista, do Instituto Goddard de Estudos do Espaço da Nasa em Nova York, opina que o melhor é avaliar novamente a situação. "Se é algo assim como o (protocolo) de Kioto (sobre mudança climática), então (as pessoas) passarão anos tratando de estabelecer exatamente o que significa", assinalou Hansen sobre o acordo que possa surgir na cúpula da ONU em Copenhague.

 

O jornal The Guardian afirma que os quatro principais emissores de gases poluentes - EUA, China, a UE e a Índia - puseram sobre a mesa ofertas sobre as emissões.

 

Hansen fez um esforço mais que nenhum outro cientista para conscientizar os políticos sobre as causas do aquecimento global e incentivar para que tomem medidas para evitar consequências catastróficas, comenta o periódico britânico.

 

O especialista critica os políticos porque acredita que fracassaram no cumprimento com o que considera que é o desafio moral de nosso tempo. Na opinião dele, não pode haver compromisso por parte dos políticos ao abordar o problema da mudança climática. "Isto é semelhante ao assunto da escravidão que afrontou Abraham Lincoln e o nazismo que afrontou Winston Churchill", disse.

 

"Sobre esse tipo de coisas não pode haver compromisso. Um não pode dizer, vamos reduzir a escravidão, busquemos um compromisso de reduzi-la em 50% e 40%", afirmou. Hansen explicou que foi obrigado a falar sobre a mudança climática diante da perspectiva que haja secas, inundações e crise de fome.

Mais conteúdo sobre:
clima Copenhague cupula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.