Arquivo/AE
Arquivo/AE

Cientista americano cria etanol à base de casca de fruta e jornal

Produção utiliza combinação de enzimas para transformar os resíduos em açúcar e, depois, ser fermentado

Efe,

18 Fevereiro 2010 | 10h01

As cascas de frutas, sobretudo de laranja, e o papel jornal poderiam ser usados na produção de álcool combustível (etanol), revelou um estudo publicado nesta quinta-feira, 18, pelo periódico Plant Biotechnology Journal.

 

Veja também:

linkBritish Airways utilizará biocombustível feito de lixo

linkApoio da UE a biocombustíveis recebe críticas e gera polêmica

linkEtanol pode elevar emissão de CO2 do Brasil, diz estudo

 

Esse tipo de combustível do futuro é mais limpo que o etanol derivado do milho, que, por sua vez, é mais poluente que a gasolina, segundo as pesquisas de Henry Daniell, cientista da Universidade Central da Flórida. Daniell diz que, com o álcool à base de frutas e papel, seria possível "proteger o ar e o ambiente das próximas gerações".

 

A tecnologia para a produção do combustível, desenvolvida com financiamento do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, utiliza uma combinação de enzimas para transformas as cascas de laranja e outros materiais residuais em açúcar, que é fermentado para sua conversão em etanol.

 

Esse álcool combustível, segundo o artigo publicado, produz menos gases estufa que a gasolina ou a energia elétrica. E como os resíduos usados no processo são abundantes, a produção do etanol de frutas e jornal não comprometeria a de alimentos nem provocaria um aumento nos preços destes.

 

Só na Flórida, segundo Daniell, seria possível produzir 200 milhões de galões (1 galão = 3,75 litros) de etanol a cada ano a partir de cascas de laranja.

 

O cientista esclarece que, apesar das conclusões do estudo, são necessárias mais pesquisas até o trabalho desenvolvido em laboratório chegar à indústria. No entanto, outros cientistas que fazem pesquisas sobre biocombustíveis disseram que os resultados obtidos por Daniell são promissores.

 

"Trata-se de uma grande conquista", declarou Mariam Sticklen, professora de ciências da Universidade de Michigan, que em 2008 recebeu um prêmio internacional pelo estudo de uma enzima do estômago das vacas que poderia ajudar a transformar a planta do milho em combustível.

Mais conteúdo sobre:
etanol casca de fruta jornal produçao

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.