Ciclone Oli atinge Polinésia Francesa com ventos de até 200km/h

O ciclone Oli atingiu a Polinésia Francesa nesta quinta-feira, forçando centenas de pessoas que moram no litoral a deixar a região, afetando o transporte e levando turistas a abrigos temporários.

REUTERS

04 Fevereiro 2010 | 19h06

As autoridades recomendaram aos moradores que ficassem em casa, já que os ventos de até 200 quilômetros por hora provocaram ondas de sete metros.

No Taiti, a principal ilha no vasto território no oceano Pacífico, centenas de pessoas foram forçadas a abandonar as casas próximas à costa na madrugada, embora o impacto tenha diminuído quando a tempestade se afastou.

As ruas foram fechadas para o tráfego, exceto para os veículos de emergência, assim como portos e aeroportos.

Testemunhas citadas por uma rádio francesa disseram que telhados foram arrancados e ao menos um barco naufragou em meio ao temporal. Várias pessoas ficaram levemente feridas, mas não havia registro de mortes ou ferimentos mais graves.

De acordo com o serviço climático francês, a pressão do ar no centro da tempestade deverá diminuir, aumentando a potência do ciclone e criando ventos médios de 175 quilômetros por hora, com rajadas de até 250 quilômetros por hora.

O ciclone, que se move a cerca de 20 quilômetros por hora, está previsto para continuar sua rota em direção ao sudeste, para as ilhas de Tubai e Mataura.

A Polinésia Francesa é um território do arquipélago da Polinésia, dependente da França.

(Reportagem de Daniel Pardon)

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTEPOLINESIACICLONE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.