Chuvas fortes deixam 45 mortos na América Central

As chuvas torrenciais na América Central nesta semana, que forçaram milhares a abandonarem suas casas, deixaram ao menos 45 mortos na região, sendo a Guatemala o país mais atingido, afirmaram autoridades.

REUTERS

16 Outubro 2011 | 09h51

Uma depressão tropical atingiu a região na quarta-feira, causando inundações e deslizamentos de terra em uma série de países, do México até a América do Sul. Muitas áreas ficaram incomunicáveis, e as chuvas inundaram aldeias e obstruíram estradas.

A destruição causada pelo mau tempo que veio do Pacífico deixou 22 mortos na Guatemala e nove em Honduras, dois dos quais foram atingidos por raios, segundo serviços de emergência.

Centenas ficaram presos nos telhados de suas casas em Honduras, em especial nas regiões do sul de Choluteca e Valle, disseram funcionários dos serviços de emergência locais.

Em El Salvador, onde sete pessoas morreram, o presidente Mauricio Funes declarou estado de emergência. Ao menos sete morreram e outras milhares mais tiveram de ser resgatadas na Nicarágua.

Não foram registradas mortes na Costa Rica, embora dezenas de famílias tenham sido resgatadas de comunidades na costa do Pacífico e na capital, San Jose.

A chuva forte continuou em partes de Honduras e Guatemala, no sábado, mas diminuiu na Nicarágua, El Salvador e Costa Rica.

Ao menos quatro pessoas também morreram no México no início da semana, quando o furacão de categoria 2 Jova atingiu a região, vindo do Pacífico, forçando o porto mais movimentado do país a fechar. O principal porto de carga de Manzanillo foi reaberto mais tarde.

(Reportagem de Gustavo Palencia em Tegicugalpa, Nelson Renteria em San Salvador, Mike McDonald, na Cidade da Guatemala, Ivan Castro em Manágua e Alex Leff em San Jose)

Mais conteúdo sobre:
CLIMAAMERICACENTRAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.