China sofre com erosão de 37% de seu território

Desgaste do solo afeta a todas as bacias hidrográficas do país e a 646 distritos

Efe,

30 Janeiro 2009 | 18h21

O grande desenvolvimento da China causou um dos piores problemas ambientais do planeta, uma erosão que cobre 37% do território do país asiático, segundo um informe oficial publicado nesta sexta-feira, 30.  Os devastadores efeitos do desenvolvimento econômico e social da maior potência emergente do mundo têm sido substimados, diz o infome, divulgado pelo jornal South China Morning Post. A quantidade de terra afetada anualmente é de 4,5 milhões de toneladas, e um total de 3,57 milhões de quilômetros quadrados afetados pela erosão, o que equivale a 37% do território chinês.  Segundo dados divulgados pelo Ministério de Recursos Hídricos, o problema afeta a todas as bacias hidrográficas do país e a 646 distritos, mas a situação mais dramática se registra nas bacias dos rios Yangtsé, o mais largo da Ásia, e do Amarelo.  Em alguns casos, a catástrofe ecológica é irreversível, em um país em que as plantações de cereal constituem um problema de segurança alimentar, já que menos de 13% da superfície da China é cultivável e com ela se deve alimentar a maior população do globo: 1,3 bilhão de habitantes.  O Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) estima que o dano causado pela erosão equivale a uma perda de 400 milhões de ienes (US$ 60 milhões), enquanto o governo chinês contabilizou a perda em 1,630 milhão anualmente até 2004.  Enquanto o desenvolvimento continua avançando, somente 200 distritos afetados iniciaram programas para combater os efeitos da erosão devido à falta de fundos.  A origem do problema está em uma rápida e irracional urbanização da terra nas áreas rurais do país, nos projetos de mineração e nas técnicas de cultivo, segundo o vice-ministro de Recursos Hídricos, E Jingping, citado pela agência de notícias Xinhua.

Mais conteúdo sobre:
Chinaerosão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.