China diz estar comprometida com sucesso de acordo climático

País deu resposta positiva à visita de dois dias a Pequim do enviado do presidente Barack Obama para o clima

AP,

09 Junho 2009 | 17h11

A China afirmou nesta terça-feira, 9, estar comprometida em fazer da reunião de Copenhague contra o aquecimento global deste ano um sucesso, emitindo uma nota positiva ao final da visita de dois dias a Pequim do enviado do presidente Barack Obama para o clima.

 

Veja também:

linkSuécia vai propor imposto europeu sobre emissão de CO2

link Ambientalistas propõem texto para suceder Protocolo de Kyoto

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especial Mapa da emissão de carbono

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

O ministro das Relações Exteriores, Qin Gang, deu poucos detalhes e reafirmou a insistência da China nas "responsabilidades comuns mas diferenciadas" sob as quais os países desenvolvidos como os Estados Unidos arcariam com a maior parte da responsabilidade pela redução nas emissões de gases estufa.

No entanto, Qin relatou as conversas entre o enviado de Obama, Todd Stern, e as autoridades chinesas, incluindo o vice-primeiro-ministro, Li Keqiang, como construtivas, possivelmente indicando um momento positivo para um acordo entre as duas nações.

Os dois lados concordaram em "pressionar na reunião de Copenhagen por resultados positivos", disse Qin.

Até o momento, autoridades norte-americanas falharam em chegar a um consenso com a China para a redução das emissões de carbono. O país rejeitou as propostas dos Estados Unidos e da Austrália para a redução de seus níveis de emissão, negando também as demandas por diminuições em países em desenvolvimento, chamando-as de "pouco realistas".

Stern não fez nenhum comentário público durante a visita, embora o Secretário Assistente de Energia dos EUA, David Sandalow, tenha dito na segunda-feira, 8, que as conversas foram "frutíferas e produtivas", enquanto apontou que ainda há pontos a serem superados na agenda climática.

"A China pode e vai precisar fazer muito mais se o mundo vai ter qualquer esperança de conter o aquecimento global", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento globalChinaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.