Reuters
Reuters

China critica reunião 'panelinha' em cúpula climática da ONU

Premiê chinês diz ter ficado 'surpreso' por não ter sido convidado para reunião que definiu o acordo

Efe,

15 Março 2010 | 10h02

O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, criticou neste domingo, 14, a falta de cooperação de alguns países com a China durante a Cúpula de Copenhague de dezembro de 2009, e contestou as críticas feitas a seu país na questão da mudança climática.

 

Veja também:

linkBrasil quer evitar novo fracasso em debate climático, diz Minc 

linkONU revisará trabalho científico de painel sobre aquecimento

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono    

 

As declarações do primeiro-ministro foram feitas em entrevista coletiva após a sessão anual da Assembleia Nacional Popular (ANP), o Legislativo chinês.

 

"Em um banquete presidido pela Rainha da Dinamarca, soube que um líder de um país europeu tinha organizado uma reunião de um reduzido grupo de países naquela noite (em Copenhague). Me disseram que a China estava convidada, mas aquilo me surpreendeu, pois não tinha recebido nenhuma notificação oficial", lamentou Wen.

 

"O chanceler chinês Yang Jiechi falou com (a secretária de Estado americana) Hillary Clinton para explicar a situação, e finalmente enviamos ao encontro o vice-ministro He Yafei, que protestou a falta de notificação prévia", explicou Wen. "Continua sendo um mistério por que a China não foi convidada", acrescentou.

 

O chefe de Governo chinês assegurou que, nos meses posteriores, as acusações de que a delegação chinesa tinha sido arrogante na cúpula foram "boatos e calúnias", e destacou seus esforços na reunião.

 

"Não descansei nas 16 horas que estive em Copenhague. Tive reuniões com líderes de Alemanha, Reino Unido, Japão, Índia, Brasil e do Grupo dos 77. Com Obama, me reuni duas vezes", enumerou Wen.

 

Ele também ressaltou os esforços da China - maior emissor mundial de gás carbônico - para lutar contra a mudança climática. "Não entendo por que as pessoas continuam acusando a China. Em mudança climática, continuaremos trabalhando com outros países", concluiu o primeiro-ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.