Ceticismo sobre mudança climática cresce nos EUA, diz estudo

Maioria da população americana, contudo, ainda apoia a fixação de um limite às emissões de gases poluentes

Efe,

25 Novembro 2009 | 15h46

A porcentagem de americanos que acreditam na mudança climática caiu de 80% para 72% no último ano, segundo uma nova pesquisa que mostra, porém, que a maioria ainda apoia a fixação de um limite às emissões de gases poluentes.

 

Veja também:

linkEUA vão propor corte de 17% em suas emissões em Copenhague

linkRepresentante da ONU pressiona por acordo na cúpula do clima

linkChina quer força de lei em meta ambiental só para ricos 

linkBrasil pode perder R$ 3,6 trilhões por causa do aquecimento global

 

A pesquisa do diário "Washington Post" e do canal de televisão "ABC" indica também que 55% dos americanos acreditam que os Estados Unidos deveriam cortar suas emissões de CO2, mesmo se outros grandes poluidores como China e Índia fizerem menos a respeito.

 

Segundo o "Post", a sondagem sugere uma crescente polarização em torno do tema justo no momento em que a Casa Branca e os democratas no Congresso intensificam os esforços para aprovar uma legislação a respeito.

 

O presidente dos EUA, Barack Obama, já anunciou que estará em Copenhague no próximo dia 9 de dezembro para a cúpula sobre mudança climática da ONU.

 

Os responsáveis pela pesquisa divulgada hoje assinalaram que esse maior ceticismo sobre a mudança climática se deve em grande medida a uma alteração da percepção da questão entre os republicanos.

 

O "Post" assinala, nesse sentido, que 54% dos republicanos acreditam agora no aquecimento do planeta, contra 76% que consideravam esse tema um problema há três anos e meio. Entre os eleitores independentes essa porcentagem caiu de 86% para 71% no mesmo período.

 

China e EUA são os dois países mais poluentes do mundo. A União Europeia exigiu na segunda-feira que ambos se comprometam a reduzir as emissões durante a cúpula de Copenhague.

Mais conteúdo sobre:
EUA pesquisa mudanças climaticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.