Cetesb registra 2.904 áreas contaminadas no Estado

Houve aumento de 13% em relação a 2008; atividades mais poluidoras são postos de combustíveis e indústrias

Afra Balazina e Andrea Vialli, O Estado de S. Paulo

29 Abril 2010 | 12h05

A Agência Ambiental Paulista (Cetesb) acaba de concluir a atualização das áreas contaminadas no Estado. Foram contabilizadas 2.904 áreas com contaminação até novembro de 2009 – um aumento de 13% em relação ao ano anterior.

 

A atividade mais poluidora são os postos de combustível e, em segundo lugar, estão as indústrias. É importante localizar as áreas problemáticas para evitar danos ambientais, problemas de saúde e o comprometimento da qualidade da água, por exemplo.

 

Eduardo Serpa, da Cetesb, ressalta que, do total de áreas encontradas, já foram descontaminadas 929. Dessas, 110 já podem ser usadas novamente e outras 819 ainda estão sendo monitoradas – as áreas são avaliadas durante quatro semestres antes de serem liberadas para utilização.

 

Uso do etanol pode ficar inviável

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou na quarta-feira um boletim em que avalia que o uso do etanol nos veículos pequenos no País pode ficar inviável economicamente. O motivo é o fato de que no restante do mundo a opção para reduzir as emissões dos gases de efeito estufa tem sido por carros elétricos.

 

 No entanto, o Ipea considera que o etanol poderá substituir combustíveis fósseis, como o diesel, no transporte de carga e no transporte urbano, em que é mais complicado usar veículos elétricos (já que a operação nesses casos ocorre por longos períodos ininterruptos).

 

Show pelo direito dos animais

Um show no Sesc Pompeia nesta quinta-feira, às 21 horas, quer sensibilizar as pessoas para os direitos dos animais. Participam Fernanda Porto, Palavra Cantada e Renato Teixeira, entre outros. As atrizes Lúcia Veríssimo e Gabriela Duarte estarão presentes. O artista plástico Alexandre Huber pintará um painel da vida marinha.

 

Marcas estão atentas a desmatamento

Uma nota de empresas como Adidas, Nike, Timberland e Puma afirma que elas poderão cancelar compras se não houver comprovação da origem do produto. Elas não querem colaborar com o desmatamento da Amazônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.