EFE/Francisco Simerman
EFE/Francisco Simerman

Cerca de 300 tartarugas são achadas mortas em redes de pesca no México

Espécie está em risco de extinção; pescadores tentaram resgatar os animais

O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2018 | 17h48

Cerca de 300 tartarugas marinhas (Lepidochelys olivacea), uma espécie em risco de extinção, foram encontradas nesta terça-feira, 28, na costa de Oaxaca, no México, onde morreram ao ficarem presas em redes de pesca de atum. A informação foi confirmada por autoridades locais de Proteção Civil.

Os animais desta espécie, que é a menor das tartarugas marinhas, foram encontrados nas costas de Barra Colotepec, perto da localidade turística de Puerto Escondido, para onde provavelmente se deslocavam para desovar.

A Procuradoria Federal de Proteção ao Ambiente (Profepa) do México informou na manhã de terça que atendia a um chamado sobre tartarugas marinhas presas em uma rede de pesca na Barra de Colotepec. Após o meio-dia, a Proteção Civil de Oaxaca confirmou a morte das tartarugas, depois que os pescadores da região tentaram resgatá-las sem sucesso.

Os animais "tinham ficado presos em redes de barcos de pesca de atum", disse o órgão em uma mensagem no Twitter. A Profepa deve investigar a pesca acidental das tartarugas.

"Não percorremos toda a rede. No início, recebemos o aviso de que eram duas redes, aproximadamente são 300 tartarugas, mas a cifra pode aumentar", informou José Antonio Ramírez, titular de Proteção Civil do município de San Pedro Mixtepec.

"Encontramos esta rede conhecida como de tresmalho e o que os pescadores nos disseram é que não é do lugar, não se usa nestas praias e talvez possa ter sido abandonada por um barco de pesca de atum que não avisou (às autoridades) sobre a perda da rede e causou a morte das tartarugas", acrescentou.

O diretor de pesca do município, Lupe López Osorio, disse que foram os pescadores os primeiros a tentar resgatar as tartarugas usando, para isso, seus próprios meios. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.